Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.002,08
    -191,17 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Alckmin escolhe ex-governador Jorge Viana para comando da Apex

***ARQUIVO*** BRASILIA, DF,  BRASIL,  22-11-2022, O vice presidente eleito Geraldo Alckmin deixa o cinema do CCBB após participar de coletiva de imprensa para anúncio de nomes que participam do governo de transição, no CCBB. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 22-11-2022, O vice presidente eleito Geraldo Alckmin deixa o cinema do CCBB após participar de coletiva de imprensa para anúncio de nomes que participam do governo de transição, no CCBB. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente diplomado, Geraldo Alckmin (PSB), anunciou nesta sexta-feira (30) a escolha de Jorge Viana (PT), ex-governador do Acre, para o comando da Apex (Agência Brasileira de Exportações e Investimentos).

Engenheiro florestal, Viana integrou o grupo técnico do meio ambiente do gabinete de transição do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A agência voltou a fazer parte da estrutura do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, pasta que será comandada por Alckmin.

Já o futuro ministro do Desenvolvimento Social, o senador eleito Wellington Dias (PT-PI), anunciou oito nomes que vão compor o segundo escalão da pasta. A socióloga Letícia Bartholo, que irá comandar a Secretaria do Cadastro Único e Gestão da Informação, foi uma das escolhidas.

Viana era cotado para assumir a autoridade da emergência climática, cargo que está sob disputa dentro da equipe de Lula. A ex-ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira é um dos nomes avaliados para a função.

A Apex promove produtos e serviços brasileiros no exterior e trabalha para atrair investimentos.

Alckmin também anunciou nesta sexta-feira (30) a escolha de Tatiana Prazeres para chefiar a Secretaria de Comércio Exterior da pasta.

Diretora de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp (Federação da Indústria do Estado de São Paulo), Prazeres é servidora de carreira do Mdic.

Ex-governador do Piauí, Dias anunciou nesta sexta os nomes que farão parte de sua equipe a partir de janeiro. O Ministério do Desenvolvimento, Assistência Social, Família e Combate à Fome cuida da gestão dos programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família –hoje chamado de Auxílio Brasil, mas que será rebatizado no governo Lula. Na administração de Jair Bolsonaro (PL), a pasta tem o nome de Ministério da Cidadania.

Segundo o futuro ministro, os indicados foram escolhidos "por suas capacidades e habilidades". "Juntos seguiremos na missão de tirarmos o Brasil do mapa da fome e cuidar dos que mais precisam", escreveu ele em rede social.

Para o posto de número 2, o indicado foi o advogado Osmar Júnior, que atuou nas gestões de Dias no Piauí. "Já foi vice-governador, secretário estadual de governo, deputado federal, líder do Congresso Nacional e trabalhou ativamente das ações no pró-Piauí no combate à pandemia", descreveu.

Ranniêr Ciriaco, que foi superintendente de representação do governo do Piauí em Brasília, foi anunciado como futuro secretário executivo adjunto.

Para a Secretaria do CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal) e Gestão da Informação, foi convidada Letícia Bartholo, socióloga e mestre em demografia, na área de políticas públicas e população. Ela atuou como secretária nacional adjunta de Renda de Cidadania entre 2012 e 2016, no governo Dilma Rousseff (PT).

"Ela possui mais de 20 anos de experiência em programas de combate à pobreza e contribuirá muito no MDS", escreveu o futuro ministro.

Em artigo publicado pela Folha de S.Paulo, Bartholo, que assina o texto em conjunto com outros autores, disse que o CadÚnico –base nacional de dados socioeconômicos essencial para operacionalizar diversos programas sociais– vinha sendo deturpado pelo governo Bolsonaro.

Para a Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, o nome apontado foi o de Lilian dos Santos Rahal, mestre em sociologia, servidora pública federal de carreira e especialista em políticas públicas e gestão governamental. Ela participou do grupo de trabalho na transição de governo.

Vice-governadora de Sergipe, Eliane Aquino foi escolhida para comanda a Secretaria Nacional de Renda e Cidadania. Ela fez parte do grupo técnico de direitos humanos do gabinete de transição.

Para o posto de número 2, o indicado foi o advogado Osmar Júnior, que atuou nas gestões de Dias no Piauí. "Já foi vice-governador, secretário estadual de governo, deputado federal, líder do Congresso Nacional e trabalhou ativamente das ações no pró-Piauí no combate à pandemia", descreveu.

Ranniêr Ciriaco, que foi superintendente de representação do governo do Piauí em Brasília, foi anunciado como futuro secretário executivo adjunto.

Para a Secretaria do CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal) e Gestão da Informação, foi convidada Letícia Bartholo, socióloga e mestre em demografia, na área de políticas públicas e população. Ela atuou como secretária nacional adjunta de Renda de Cidadania entre 2012 e 2016, no governo Dilma Rousseff (PT).

"Ela possui mais de 20 anos de experiência em programas de combate à pobreza e contribuirá muito no MDS", escreveu o futuro ministro.

Em artigo publicado pela Folha de S.Paulo, Bartholo, que assina o texto em conjunto com outros autores, disse que o CadÚnico –base nacional de dados socioeconômicos essencial para operacionalizar diversos programas sociais– vinha sendo deturpado pelo governo Bolsonaro.

Para a Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, o nome apontado foi o de Lilian dos Santos Rahal, mestre em sociologia, servidora pública federal de carreira e especialista em políticas públicas e gestão governamental. Ela participou do grupo de trabalho na transição de governo.

Vice-governadora de Sergipe, Eliane Aquino foi escolhida para comanda a Secretaria Nacional de Renda e Cidadania. Ela fez parte do grupo técnico de direitos humanos do gabinete de transição.