Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.989,65
    +49,18 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Alckmin encontra secretário de Fazenda de SP cotado para comandar Tesouro Nacional

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2022 - O vice-presidente eleito do Brasil, Geraldo Alckmin (PSB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 10.11.2022 - O vice-presidente eleito do Brasil, Geraldo Alckmin (PSB). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cotado para ser secretário do Tesouro, Felipe Salto tem encontro previsto com o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, nesta terça-feira (15) em São Paulo. Na pauta está a proposta de nova âncora fiscal que prevê a troca do teto de gastos por uma regra mais flexível, que permite crescimento real das despesas conforme o nível e a trajetória da dívida pública.

Salto é secretário de Fazenda de São Paulo e foi convidado por Alckmin há cerca de dez dias para fazer parte da equipe econômica do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Ainda sem cargo definido, ele é cotado para ser secretário do Tesouro.

Interlocutores de Alckmin afirmam que Salto sinalizou positivamente ao convite, se ele for oficializado nesta terça-feira. Até lá, fica inviabilizada sua transferência para Brasília onde atuaria diretamente no governo de transição, cuja sede foi montada no Centro Cultural Banco do Brasil.

Sem sucesso, o deputado federal Vicente Cândido (PT-MG) chegou a pedir que Salto na semana passada que antecipasse sua saída da Secretaria de Fazenda de São Paulo já para a próxima semana.

No encontro previsto para esta terça-feira, Alckmin quer ter a avaliação de Salto sobre a proposta de nova âncora fiscal —que prevê a troca do teto de gastos por uma regra mais flexível.

O secretário de SP defende a revisão do teto que, segundo ele, vem sendo descumprido há anos, o que significa que precisa ser trocado por outro mecanismo de controle.

Salto estima que o estouro do teto neste ano deve ser da ordem de R$ 150 bilhões. No seu lugar, ele apoia a proposta apresentada pelos técnicos do Tesouro com regras que atrelam a Dívida Líquida do Governo Geral ao crescimento das despesas.

Quando houver previsão de redução da dívida, a despesa poderá crescer de 0,5% a 2% [da dívida]. Ao contrário, se houver previsão de alta, o gasto poderá subir, no máximo, 1%.

Se a dívida superar 55% do PIB, o governo terá de efetuar corte de gastos. Entre 45% e 55% do PIB, as expansões das despesas ficam em patamar intermediário. Abaixo de 45% do PIB, o governo usufrui da elevação máxima dos gastos.

À Folha de S.Paulo., Salto disse que defende a proposta de nova âncora fiscal e não quis comentar sobre o possível convite para fazer parte do governo.