Mercado abrirá em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,45
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.891,30
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    22.581,94
    -665,41 (-2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,87
    -17,02 (-3,17%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.384,05
    +100,53 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    27.565,26
    -41,20 (-0,15%)
     
  • NASDAQ

    12.591,75
    +46,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5769
    +0,0095 (+0,17%)
     

Alckmin defende reforma tributária e reindustrialização em posse no MDIC

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.12.2022 - Geraldo Alckmin (PSB), vice-presidente do país. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 08.12.2022 - Geraldo Alckmin (PSB), vice-presidente do país. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) disse, nesta quarta-feira (4), que a reforma tributária e a reindustrialização do país são fundamentais para a retomada do desenvolvimento do país.

As falas aconteceram durante a cerimônia em que tomou posse como ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. A cerimônia ocorreu no Palácio do Planalto e contou com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) , empossado há quatro dias.

Embora Lula tenha declarado, em novembro, que o ex-governador de São Paulo não disputaria vaga de ministro por ser vice-presidente (eleito), Alckmin acumulará as duas funções a partir de janeiro.

"A reindustrialização é essencial para que possamos retomar o o desenvolvimento sustentável e que essa retomada ocorra sobre prisma o da justiça social", disse o vice-presidente e ministro durante a cerimônia.

Assim como outros ministros, Alckmin usou diversas vezes a palavra "reconstrução" e teceu críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em outro momento, o vice-presidente também defendeu a realização da reforma tributária -a qual classificou como fundamental- para atingir o desenvolvimento e para conseguir avançar uma política industrial contemporânea..

Na ocasião, o petista disse que ele foi escolhido para coordenar a transição de governo, porque "ele não disputa vaga de ministro porque é o vice-presidente da República".

Depois, seu nome ganhou força para a pasta diante da dificuldade de Lula em encontrar um titular, ao ouvir a recusa de empresários para o posto. Josué Gomes da Silva, da Coteminas, e Pedro Wongtschowski, do grupo Ultra, declinaram do convite.

Com Alckmin na pasta, o PSB acumula três ministérios: Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Justiça e Segurança Pública; e Portos e Aeroportos.

O vice-presidente assumiu um papel de liderança, ao coordenar o gabinete de transição do então governo eleito.

Para aliados de Alckmin e Lula, o poder delegado ao ex-tucano neste momento indicou que ele poderá ter papel-chave e virar um braço direito do presidente eleito a partir de 1º de janeiro de 2023, dividindo funções de coordenação e negociação no governo.

Fica claro, com as funções que tem exercido, que ele tentará se descolar do figurino de vice decorativo que coube aos antecessores Michel Temer (MDB) e Hamilton Mourão (Republicanos).

Como integrante da equipe econômica de Lula, Alckmin terá que equilibrar-se entre fazer a articulação com o setor produtivo e substituir o mandatário -o que deve ocorrer com frequência dada a expectativa de que o petista se dedique a estreitar relações com governos estrangeiros.

Mais do que vice e ministro, Alckmin também é um dos cotados para a disputa presidencial de 2026, já que Lula declara não pretender concorrer à reeleição.

É justamente na equipe econômica que também atuarão seus adversários nessa seara: Fernando Haddad (PT), futuro ministro da Fazenda, e Simone Tebet (MDB), futura ministra do Planejamento.

Na campanha, Alckmin foi a versão encarnada de uma nova carta ao povo brasileiro. Tornou-se o primeiro sinal de que Lula mirava além do PT para voltar ao Planalto e foi fiador de uma frente ampla que compartilha a avaliação de que Bolsonaro representa um risco à democracia.

Desde que entrou para o time de Lula, Alckmin manteve seu estilo discreto. Uma hora antes de ser anunciado ministro, questionado por jornalistas sobre o posto, balançou a cabeça sem dizer que sim ou que não.