Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.953,40
    -7,79 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Alckmin anuncia Mantega na equipe de transição, na área de Planejamento e Orçamento

BRASÍLIA, DF, 10.11.2022 - ALCKMIN-GOVERNO-TRANSIÇÃO-DF - O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin, acompanhado da deputada e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e do ex-ministro Aloizio Mercadante durante entrevista coletiva sobre novas indicações de nomes da transição do governo Lula, nesta quinta-feira (10). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 10.11.2022 - ALCKMIN-GOVERNO-TRANSIÇÃO-DF - O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin, acompanhado da deputada e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e do ex-ministro Aloizio Mercadante durante entrevista coletiva sobre novas indicações de nomes da transição do governo Lula, nesta quinta-feira (10). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), anunciou nesta quinta-feira (10) o ex-ministro Guido Mantega (Fazenda) como integrante do grupo técnico responsável pelo planejamento, orçamento e gestão na equipe de transição.

O anúncio foi feito no auditório do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), onde está a sede do governo de transição.

Na terça-feira (8), Alckmin assinou a portaria que instituiu o gabinete de transição do governo, listando os 31 grupos técnicos temáticos. Na ocasião, o vice eleito confirmou os coordenadores do grupo técnico da economia: Persio Arida, André Lara Resende, Nelson Barbosa e Guilherme Mello.

Integrantes da equipe que implantou o Plano Real, Arida e Lara Resende são economistas com passagens pelo mercado e histórico liberal, embora as ideias do último tenham provocado reações entre colegas nos últimos anos. Barbosa e Mello, por sua vez, são dois nomes ligados ao partido e defendem a flexibilização de certas regras, como o teto de gastos, para atender a demandas sociais.

O MDB terá assentos em três coordenações na transição de governo. Simone Tebet, que foi candidata à Presidência no primeiro turno e participou ativamente da campanha petista no segundo, ficará com Assistência Social.

O presidente da sigla, Baleia Rossi (SP), também anunciou a indicação para o Conselho Político da Transição dos senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Jader Barbalho (MDB-PA).

Além deles, o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB) vai atuar na área de indústria e comércio. Ele coordenou o plano de governo de Tebet.

Na área de cultura, foram indicados três nomes para coordenar: a atriz Lucélia Santos, o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira e o secretário nacional de Cultura do PT Márcio Tavares.

"Estou muito contente, vamos adiante! Há muito trabalho a fazer", disse Santos em uma postagem no Instagram na qual anunciou ter sido convidada para a equipe.

O grupo deve se reportar ao ex-ministro Aloizio Mercadante, responsável pela elaboração do programa de governo de Lula e coordenador técnico da equipe de transição do presidente eleito.

Juca Ferreira foi ministro da Cultura nos governos Lula e Dilma Rousseff. Lucélia Santos, além de atuar, foi candidata do PSB a deputada federal pelo Rio de Janeiro do PSB. Márcio Tavares é um dos coordenadores do programa de cultura da chapa Lula e Geraldo Alckmin, vencedora das eleições.

A Saúde ficará com quatro ex-ministros dos governos do PT, Humberto Costa, José Gomes Temporão, Alexandre Padilha e Arthur Chioro. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Costa disse que está em discussão retomar o programa Mais Médicos, criado em 2013 na gestão Dilma Rousseff (PT), sem utilizar profissionais no exterior para suprir a demanda de regiões menos assistidas.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) contou, nesta quinta-feira (10), que estará na coordenação de Desenvolvimento Regional. Com ele estarão também os governadores Helder Barbalho (MDB-PA), reeleito, Camilo Santana (PT-CE), eleito ao Senado, e o senador Otto Alencar (PSD-BA).