Mercado abrirá em 8 h 32 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,66
    +2,17 (+2,73%)
     
  • OURO

    1.672,80
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.131,88
    -176,06 (-0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    435,02
    -8,41 (-1,90%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.088,30
    +151,09 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    10.981,50
    -54,00 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

AL fica para trás no boom do petróleo com tensões políticas

(Bloomberg) -- Da Arábia Saudita ao Texas, empresas petrolíferas aumentam produção para lucrar com o salto nos preços. Mas a América Latina, que abriga um quinto das reservas mundiais, ficou para trás.

Em toda a região, os benefícios de preços que chegaram a ultrapassar US$ 100 o barril foram minados por políticas nacionalistas que reforçaram o controle governamental do setor de energia e marginalizaram investidores estrangeiros que haviam ajudado a aumentar a produção.

Os volumes têm crescido no Brasil e na Guiana, mas na região como um todo a produção caiu tanto que mal atende à demanda. México e Argentina agora importam mais petróleo e gás natural do que exportam.

Líderes de países latino-americanos produtores de petróleo se tornaram alvo de tensões políticas com a dependência de importações caras de combustíveis. Após enfrentar a indignação de caminhoneiros e consumidores com alta de preços da gasolina e do diesel no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro está atrás de Luiz Inácio Lula da Silva nas intenções de voto para as eleições presidenciais de outubro. No equador, Guillermo Lasso quase sofreu impeachment após protestos contra os preços de combustíveis e inflação. O México está gastando bilhões para subsidiar a gasolina.

Tudo isso significa que o mundo não pode contar com a América Latina para aumentar a produção de petróleo e gás natural à medida que a invasão da Ucrânia pela Rússia reduz a oferta global. Enquanto os produtores nos EUA e no Oriente Médio aumentam produção, não é suficiente para deter a alta de preços que ameaça desencadear racionamento de combustível e precipitar economias em recessão.

Os saldos comerciais seriam ainda piores para as estatais exportadoras da América Latina se os preços do petróleo não tivessem disparado este ano. A Petrobras e até mesmo a endividada Pemex divulgaram lucros robustos e pagaram dividendos altos.

Mas os benefícios econômicos mais amplos da alta do petróleo não foram suficientes para impedir uma guinada para a esquerda em toda a América Latina. A Colômbia elegeu recentemente um presidente que quer banir o fracking. No Brasil, Lula, que presidiu uma expansão econômica em seu primeiro governo graças em grande parte às commodities, é o favorito para substituir Bolsonaro nas próximas eleições. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, procurou fortalecer as empresas estatais eliminando regras e regulamentos que promoviam um mercado mais competitivo.

A principal história de sucesso na região tem sido o Brasil, mas mesmo assim a produção do país seria o dobro dos níveis atuais se o primeiro governo de Lula não tivesse parado o desenvolvimento por meia década para reescrever a legislação do petróleo, segundo alguns analistas.

Se Lula vencer, como é esperado, a principal preocupação é que o governo atrase o desenvolvimento de grandes descobertas para aumentar a participação do estado, disse André Fagundes da Welligence. A Petrobras está atualmente se preparando para perfurar uma região marítima pouco explorada perto da margem equatorial.

Se o Brasil fizer novas descobertas importantes, como os sucessos recentes na Guiana e no Suriname, um governo Lula poderia retardar o desenvolvimento para aumentar a arrecadação, disse Fagundes.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.