Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.765,80
    -493,95 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.140,42
    -567,30 (-1,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,52
    -1,33 (-3,34%)
     
  • OURO

    1.904,00
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.971,26
    -178,77 (-1,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,81
    -4,60 (-1,75%)
     
  • S&P500

    3.391,72
    -73,67 (-2,13%)
     
  • DOW JONES

    27.612,15
    -723,42 (-2,55%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.451,50
    -212,00 (-1,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6407
    -0,0232 (-0,35%)
     

Além das caronas: BlaBlaCar passa a investir em viagens de ônibus no Brasil

Rui Maciel
·4 minutos de leitura

Aplicativo especializado em caronas de longa distância, a BlaBlaCar anunciou nesta quarta-feira (14) mais uma etapa para se tornar uma plataforma multimodal. Isso porque a empresa lançou oficialmente no Brasil o seu marketplace de passagens de ônibus.

Com a chegada da novidade, a BlaBlaCar passa a oferecer ao usuário a possibilidade de reservar assentos em dois modais complementares - carro e ônibus. Com isso, basta escolher a opção que melhor o atenda as necessidades da sua viagem intermunicipal ou interestadual. No entanto, nesse primeiro momento, tal estratégia não será colocada em prática. Os usuários poderão apenas comprar as passagens separadamente, com as caronas de carro sendo adquiridas à parte.

No Brasil, a empresa está presente desde o final de 2015 e conta com 7 milhões de pessoas cadastradas. Segundo Leite, o movimento médio por mês era de pouco menos de 1 milhão de passageiros até fevereiro. “Em março, por conta da pandemia, tivemos uma queda de 60% e estamos recuperando aos poucos”, disse o executivo.

Parcerias e metas

Para viabilizar o marketplace, a startup fechou parcerias com 41 empresas de ônibus rodoviário, estando 16 já disponíveis dentro da plataforma - esse número equivale a mais de 20% do total de companhias do setor no Brasil. Além disso, até o fim de 2021, o objetivo é alcançar mais de 100 viações.

Aliás, entre as viações já com passagens à venda estão players que realizam viagens para diversos estados do país, como a Itapemirim e a Santa Cruz, além da Viação Garcia. Segundo a BlaBlaCar, a expectativa com a nova divisão é chegar a 950 mil passagens comercializadas até o final de 2021, alcançando R$ 84 milhões em vendas já no primeiro ano de operação. Ainda para esse ano, a meta é registrar receitas de R$ 5 milhões.

Busca de passagens no app da BlaBlaCar (Foto: Divulgação BlaBlaCar)
Busca de passagens no app da BlaBlaCar (Foto: Divulgação BlaBlaCar)


“O Brasil é o terceiro maior mercado para a BlaBlaCar dentre os 22 países atendidos, mas ainda conta com uma grande demanda reprimida em diversos trechos. E isso pode ser facilmente solucionado pela oferta de passagens de ônibus", afirmou Ricardo Leite, diretor-geral da BlaBlaCar no Brasil durante a coletiva. "Ao nos tornarmos multimodais, traremos mais opções aos usuários com a oferta dos dois meios complementares. É um ganha-ganha, pois seremos parceiros estratégicos das empresas de ônibus para preencher seus assentos vazios e diversificar seus canais de venda”, completa o executivo.

Concorrência

Ainda na coletiva de anúncio do serviço, Leite, afirma que uma taxa de conveniência 50% menor do que a dos concorrentes, além de descontos, podem ser diferenciais para superar empresas que já estão há mais tempo nesse modelo de negócios. Em uma estimativa, a BlaBlaCar calcula que as vendas online respondem por apenas 10% do faturamento do setor que, hoje, fatura cerca de R$ 15 bilhões. "Há um potencial enorme nesse mercado e queremos fazer parte dele", disse o executivo.

Segundo Francisco Mazon, CEO do Grupo Santa Cruz, a parceria com a BlaBlaCar foi iniciada em maio de 2020. "Ela é uma plataforma de venda de espaços livres nos veículos que veio para ficar, trazendo experiência de outros países e que nos aproximam de clientes que estão conectados e buscam a praticidade no seu transporte”, frisou. "Ele será um canal de suporte importante nessa retomada, uma vez que as vendas foram seriamente impactadas pela pandemia. No pico dela (entre abril e maio), tivemos apenas 15% do movimento se comparado ao mesmo período do ano passado. Com isso, acabamos por desligar 50% dos nossos funcionários. E só agora estamos voltando a contratar. Mas esperando recuperar 80% do nosso movimento até o ano que vem".

“Fomos a primeira empresa no Brasil a disponibilizar a venda de passagens de ônibus pela internet e a aceitar criptomoeda como forma de pagamento", afirma Luiz Fernando Mattos, gerente comercial do Grupo GBS – Garcia Brasil Sul. "A parceria com a BlaBlaCar representa, além da possibilidade de ter um novo canal de vendas, a disponibilização de uma nova experiência aos clientes que alia inovação e tecnologia”.

Como o serviço funcionará

A tecnologia usada pelo sistema de marketplace permite que a BlaBlaCar se conecte diretamente com o sistema de vendas dos parceiros para realizar a distribuição dos assentos sem intermediários. A startup afirma que esta modalidade oferece mais segurança e controle às viações, além de permitir a criação de um sistema de busca mais flexível e personalizado.

No site ou app da BlaBlaCar, o usuário pode optar por caronas ou passagens de ônibus (Captura de imagem: Rui Maciel)
No site ou app da BlaBlaCar, o usuário pode optar por caronas ou passagens de ônibus (Captura de imagem: Rui Maciel)

Ao procurar um trajeto pela BlaBlaCar, o usuário pode inserir endereços precisos e obter resultados com saídas próximas, ao invés de buscar por uma rodoviária ou cidade específica, como em outros portais. Isso vale tanto para as caronas quanto para as passagens de ônibus, que aparecem dentro da mesma busca, mas em abas diferentes.

“Para o parceiro, poder fazer buscas tão precisas significa mais chance de preencher um assento vazio a partir de um modelo digital eficiente que gera uma economia de escala e uma operação lucrativa", acrescente Ricardo Leite. "Essa é a chance de trazer mais opções de transporte aos nossos usuários, que muitas vezes não obtinham resultados em suas buscas.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: