Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,05
    -0,23 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.710,20
    -5,60 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    50.401,85
    +2.205,25 (+4,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.008,22
    +20,12 (+2,04%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.260,96
    -298,14 (-1,01%)
     
  • NASDAQ

    12.616,00
    -65,75 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7759
    -0,0028 (-0,04%)
     

Airbus vê esperança no segmento de viagens de negócios

Charlotte Ryan e Matthew Miller
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O CEO da Airbus, Guillaume Faury, disse que está notando os primeiros sinais de retomada das viagens de negócios — segmento crucial da base de clientes que pode ajudar na recuperação da indústria da aviação após o pior tombo já visto.

“No início da crise, os profissionais que viajam a negócios ficaram em casa, trabalhando remotamente”, disse Faury em entrevista à Bloomberg Television em Berlim. “Um ano depois, as coisas estão mudando, as empresas estão ansiosas para voar novamente.”

Na semana passada, a Airbus adiou o plano de aceleração da produção, uma vez que a demanda das companhias aéreas permanece contida. Faury admite que a fabricante europeia de aviões ainda está no “olho do furacão”, mas confia que os negócios se estabilizaram em um patamar no qual a Airbus pode se beneficiar de uma recuperação ainda este ano.

O otimismo cauteloso de Faury também foi observado na Associação Internacional de Transporte Aéreo, que declarou na quarta-feira que enxerga sinais positivos a partir dos programas de vacinação ao redor do mundo. Faury explicou que a Airbus está administrando a situação atual lidando com cada avião e cada companhia aérea de maneira individual.

No setor privado, fica cada vez mais claro que será impossível manter a força de trabalho em casa por tempo indefinido. O CEO do Barclays, Jes Staley, disse na terça-feira durante o Fórum Econômico Mundial que o home office não é sustentável. O comentário dele foi repetido pela comandante da divisão de gestão de ativos e fortunas do JPMorgan Chase, Mary Erdoes, que disse no mesmo evento que a situação “parece estar se desgastando”.

“Um ano de crise deixou bem claro que viajar e encontrar parceiros de negócios é absolutamente essencial”, afirmou Faury. “Então, vai voltar.”

Faury também apontou sinais de demanda reprimida por viagens de lazer. Nas rotas que foram reabertas, o nível de reservas tem sido extremamente elevado, embora a velocidade de qualquer recuperação nesse segmento dependa da vacinação, acrescentou ele.

Enquanto a Airbus olha para o futuro com mais otimismo, sua rival americana Boeing divulgou na quarta-feira seu pior prejuízo anual, incluindo uma despesa de US$ 6,5 bilhões para adiar a estreia do gigantesco 777X até o final de 2023, com três anos de atraso em relação ao cronograma inicial.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.