Mercado fechará em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    120.355,93
    +293,94 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.880,79
    +13,17 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,42
    +0,07 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.785,40
    -7,70 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    54.752,48
    -847,18 (-1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,92
    +38,86 (+3,13%)
     
  • S&P500

    4.171,31
    -2,11 (-0,05%)
     
  • DOW JONES

    34.044,10
    -93,21 (-0,27%)
     
  • FTSE

    6.928,36
    +33,07 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.928,25
    +9,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6012
    -0,1008 (-1,50%)
     

Airbus lança estudo sobre emissões de avião comercial sem querosene

·1 minuto de leitura
Logo da Airbus

A Airbus e vários parceiros divulgaram um estudo sobre as emissões no voo de um avião comercial que usa 100% de Combustível de Aviação Sustentável (SAF), um passo essencial para reduzir o impacto ambiental da aviação.

O objetivo é "estudar os efeitos de um combustível 100% sustentável nas emissões e do rendimento dos aviões", disseram nesta quinta-feira (18) em uma declaração conjunta Airbus, o fabricante de motores Rolls Royce, o centro alemão de pesquisa aeroespacial DLR e o produtor do SAF Neste.

Um primeiro voo deste avião A350-900, equipado com motores Trent XWB, aconteceu em Toulouse e será acompanhado "por testes de emissões no voo que começarão em abril.

Um avião Falcon de DLR será usado para medir as emissões dos motores, incluindo o CO2, principal gás de efeito estufa.

Segundo eles, este é o "primeiro estudo deste tipo no mundo".

O primeiro voo de prova de um avião comercial que funciona com combustível 100% sustentável ocorreu em 2018 com um Boeing 777 de carga.

O setor aéreo estabeleceu o objetivo de reduzir suas emissões de CO2 em 50% para 2050 em relação ao seu nível de 2005.

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), o SAF pode reduzir as emissões de CO2 em 80% em comparação com o querosene durante todo o seu ciclo de vida.

Atualmente, os aviões estão certificados para voar com 50% do SAF, que são biocombustíveis fabricados a partir de sementes oleaginosas, óleos reciclados, algas, açúcar e resíduos de madeira.

O setor espera ter a capacidade de voar com 100% de SAF em 2030.

mra/meb/mar/aa