Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.712,13
    +357,88 (+1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Airbus define data para testar aviões movidos a hidrogênio

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A Airbus já tem um cronograma pronto para iniciar os testes com seu avião movido a hidrogênio, o ZEROe. Segundo a empresa, a ideia é de colocar a aeronave para funcionar em exercícios de solo em 2023, de modo a conseguir chegar em 2035 com tudo pronto para o lançamento comercial e vendas para companhias aéreas.

Para isso, a gigante europeia confirmou a criação do Centro de Desenvolvimento de Emissões Zero (ZEDC), em Filton, no Reino Unido, feito em parceria com o Instituto de Tecnologia Aeroespacial (ATI), que reservou cifras na casa dos 685 milhões de libras para serem investidas no próximos três anos.

A Airbus promete diferentes tipos de avião utilizando hidrogênio como combustível (Imagem: Divulgação/Airbus)
A Airbus promete diferentes tipos de avião utilizando hidrogênio como combustível (Imagem: Divulgação/Airbus)

Em comunicado, a Airbus explica que a prioridade do ZEDC é de desenvolver um combustível criogênico de baixo custo e que seja suficiente para ajudar a mover aeronaves de porte comercial. Se os testes em solo começarem a acontecer em 2023, em 2026 é possível que esses aviões estejam em exercícios no ar.

"Estabelecer o ZEDC no Reino Unido expande as capacidades industriais internas da Airbus para projetar, desenvolver, testar e fabricar tanques de armazenamento de hidrogênio criogênico e sistemas relacionados para o projeto ZEROe nos quatro países de origem da Airbus.

Isso, juntamente com nossa parceria com a ATI, nos permitirá alavancar nossos respectivos conhecimentos para perceber o potencial da tecnologia de hidrogênio para apoiar a descarbonização da indústria da aviação", disse Sabine Klauke, diretora técnica da Airbus.

Vale lembrar que a Airbus é uma das empresas que mais se destacam no desenvolvimento de combustíveis alternativos para aviação. A empresa, inclusive, já realizou voos com aviões abastecidos com óleo de cozinha e outros aditivos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos