Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.074,93
    +1.670,95 (+3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Airbnb prevê mais viagens curtas e menos aglomeração turística

Brody Ford
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Mesmo com a introdução de vacinas contra a Covid-19 em muitos países, as viagens em 2021 serão voltadas a destinos regionais em vez de mecas turísticas internacionais, de acordo com um relatório divulgado pela Airbnb na quinta-feira.

Metrópoles como Toronto, Nova York e Londres foram alguns dos principais destinos dos clientes da Airbnb no segundo semestre de 2019. Mas a pandemia paralisou o segmento de viagens durante meses no ano passado. Conforme as restrições foram flexibilizadas durante o terceiro trimestre, cidades mais tranquilas tiveram alta na demanda. A Airbnb projeta continuidade dessa tendência este ano. Até agora, o maior aumento nas buscas para reservas envolveu locais como Rodanthe, no litoral da Carolina do Norte, e Muskoka Lakes, a algumas horas de carro de Toronto.

É difícil prever exatamente quando o público se sentirá pronto para viajar, mas a distribuição das vacinas determinará esse comportamento, disse o CEO Brian Chesky. As pessoas “querem viajar para lugares reservados — sem muita gente por perto — ou para cidades e comunidades onde a maioria das pessoas foi vacinada”, disse Chesky em entrevista realizada durante a conferência Bloomberg Year Ahead, na quinta-feira.

O relatório sobre viagens nos EUA não prevê “longas filas” e hordas de turistas, afirmando que as pessoas estão ansiosas para viajar para ver seus entes queridos, não pontos turísticos. No meio da pandemia, a Airbnb registrou recorde nas reservas familiares, para grupos de cinco ou mais indivíduos.

De acordo com o relatório, 54% dos entrevistados afirmam que já fizeram reserva ou pretendem viajar este ano. Uma maioria de 56% afirma preferir um destino doméstico ou regional contra 21% que desejam visitar algum lugar distante no exterior.

Para prever as tendências de viagens em 2021, o relatório cita uma pesquisa de opinião pública conduzida pela ClearPath Strategies e dados internos da Airbnb até o terceiro trimestre de 2020.

Desde abril, os viajantes optaram com mais frequência por reservas de locais que ficam a uma distância de 80 a 800 km de casa. Dos entrevistados, 55% relataram estar “muito” ou “extremamente” interessados em visitar um local onde possam chegar de carro. Antes da pandemia, a maioria das reservas no website da Airbnb envolvia destinos que ficavam a mais de 800 km da casa dos usuários.

As decisões sobre viagens curtas são tomadas mais rapidamente. A Airbnb afirma que os clientes se tornaram mais espontâneos, fazendo reservas mais perto das datas de viagem. Com a flexibilidade nos horários de trabalho e escola, as viagens podem ser distribuídas ao longo tempo, o que também ajudaria a reduzir aglomerações na alta temporada.

É improvável que as viagens de negócios retornem ao que eram antes da pandemia, já que a tecnologia provou que muitas são dispensáveis. Além disso, o relatório aponta que os americanos não sentem falta dessa atividade. A Airbnb tentou ampliar sua participação no segmento de viagens de negócios nos últimos anos, porém não depende tanto dele quanto outras empresas do setor. Marriott International e Expedia Group relataram quedas de 57% e 58% no faturamento no terceiro trimestre de 2020, respectivamente, enquanto a Airbnb teve baixa de 18%.

Em maio passado, a Airbnb demitiu 1.900 funcionários, ou 25% de quadro de pessoal.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.