Mercado fechado

Air France-KLM planeja venda de ativos e reestruturação para elevar lucro

Por Laurence Frost e Sarah White

Por Laurence Frost e Sarah White

PARIS/HELSINQUE (Reuters) - A Air France-KLM anunciou nesta terça-feira que vai ampliar sua companhia aérea de baixo custo Transavia e reforçar o status da Air France no segmento premium, numa estratégia para ampliar margem de lucro.

Após uma série de greves em 2018 que custaram 335 milhões de euros, o grupo franco-holandês parceiro da Gol, se estabilizou graças a acordos com sindicatos que elevaram custos trabalhistas, mas ampliaram flexibilidade operacional.

O presidente-executivo da companhia, Ben Smith, afirmou que quer elevar a margem de lucro para 7 a 8 por cento no médio prazo. A margem operacional da empresa foi de 4,8 por cento nos primeiros nove meses de 2019, queda de 1,7 ponto percentual sobre o mesmo período do ano passado.

Como parte do plano de cinco anos, a Air France planeja concentrar esforços em suas três marcas principais, depois de fechar mais cedo neste ano a operadora de baixo custo Joon e encerrar gradualmente as operações da área regional Hop.

Enquanto isso a Air France vai se inserir ainda mais no segmento premium e a KLM vai se posicionar como uma competitiva operadora de rede conectando voos a Amsterdã.

Já a Transavia vai se expandir no mercado de baixo custo, incluindo uma nova base na cidade francesa de Montpellier no próximo ano

O grupo também prometeu reduzir custos ao acelerar a renovação de seus aviões e ser mais flexível na gestão da frota da Air France-KLM formada por mais de 500 aeronaves.

"É um bom momento para se comprar jatos de longo alcance", disse Smith, citando que o mercado está em baixa, o que pode beneficiar os planos de renovação de frota da Air France.