Mercado fechado

Ainda vale a pena investir em bitcoin?

(Pixabay)

Por Melissa Santos

Após ter chegado a US$ 20 mil, o preço do bitcoin despencou e vem sofrendo variações desde o início desse ano. Com essa jornada um tanto turbulenta em torno da criptomoeda, a pergunta que fica é se vale a pena investir em bitcoins?

Na realidade, antes de mais nada, é preciso avaliar se a criptomoeda pode ser considerada um investimento para o seu perfil. Na opinião de  Bernardo Pascowitch, fundador do Yubb, buscador de investimentos online, o bitcoin é normalmente uma opção de investimento para pessoas que já tem uma cartela variada em renda fixa, fundo de investimento, imóvel e pode arriscar. “Para essas pessoas que podem tirar um pouco do dinheiro desses investimento e arriscar ele é uma opção. Agora se pensarmos na grande maioria da população brasileira que guarda dinheiro na poupança. O bitcoin não é o tipo de investimento mais indicado”, fala.

Para Bernardo, essa população ainda precisa fazer uma reserva de emergência (uma reserva com alguns meses de salário para emergências, como doenças e perda de emprego) e construir um patrimônio antes de investir em um ativo de alto risco, como o bitcoin. “Muitas pessoas mais simples começaram a enxergar o bitcoin como uma alternativa para enriquecer de forma fácil. E não podemos pensar assim. O ato de investir é para preservar nossa poder de compra e nosso dinheiro”, fala.

A queda dos preços tem acontecido por vários motivos, dentre eles, na opinião de Ulisses Ruiz de Gamboa, professor de Economia do Mackenzie, é o fato da Coreia do Sul e da China terem proibido totalmente o uso da criptomeda. “A China em especial é um mercado muito grande. E não duvido que essas duas proibições tenham contribuído para a queda do preço da moeda”, explica. Bernardo também credita a queda no valor do bitcoin por conta do aparecimento de outras criptmoedas durante esse período.

Todos os especialistas ouvidos pelo Yahoo não se arriscam a prever o futuro do bitcoin, ou seja, se moeda vai se estabelecer ou voltar a aumentar de preço. No entanto, pensando em quem dispõe de dinheiro para investir, Bernardo considera que o bitcoin pode ser um ativo interessante, já que mesmo com a oscilação pode trazer um retorno como nenhum outro. “Até mais do que investir em uma startup, derivativos de agronegócios e petróleo. Então para essas pessoas são boas alternativas, fora que também tem uma boa liquidez, já que pode ser vendido em cotas”, fala.

O único porém na opinião de Bernardo é o risco regulatório. “A pessoa pode investir e se daqui uma semana uma autoridade regulatória considerar o bitcoin ilegal ou crime ela terá perdido o investimento. Fora que poderá ainda ter problemas de reputação”, fala.

Um outro fator que Ulisses também pontua é a imagem da cripmoeda que é muito associada a crimes e ao mercado ilegal. “Muita gente até deixar de investir por conta disso. Por medo de comprar de um traficante de pessoas ou de animais. Já que essa moeda é muito usada por quem comete esses crimes pela dificuldade de rastrear. Tem gente que acredita que comprando bitcoin pode estar contribuindo para essas práticas”, complementa Bernardo.

Marco Carnut, CEO da CoinWISE, empresa de soluções em Blockchain e pagamentos com criptomoedas, destaca que a moeda é segura e que antes de decidir investir é preciso entender que o bitcoin é uma coisa e o mercado especulativo ao redor do bitcoin é outra. “A criptomoeda é segura, tem contabilidade perfeita continuamente auditável por uma rede global de voluntários sem vínculo entre si. O bitcoin não é uma empresa. Já o “mercado” é composto de empresas. Há muitas corretoras sérias no mercado, mas para cada séria há dez picaretas, piramideiros e outros golpistas. Por isso é preciso ficar atento”, destaca.

Para quem ficou interessado, Carnut recomenda seguir os  mesmos preceitos de qualquer investimento: estudar, informar-se, acompanhar e não investir mais do que pode perder. “É preciso estudar bem, entender o que se está fazendo e assumir responsabilidade por suas ações — algo esquisito hoje em dia onde queremos que os outros cuidem das nossas coisas por nós. Bitcoin não é um banco, é dinheiro em espécie digital. Se você perder as chaves privadas que os controlam, terá perdido seus bitcoins pra sempre, como se tivesse perdido sua carteira com cédulas de reais dentro. Se você “investir” numa pirâmide ou outro tipo de golpe, terá mais dificuldade em ser compensado. Uma outra dica que também serve para todos os demais investimentos é ter paciência, sangue frio e comprar na baixar e vender na alta”, fala o CEO da CoinWISE.

Na avaliação de Ulisses, apesar de o mundo caminhar para uma moeda digital, será difícil estabelecer um padrão monetário totalmente independente dos Bancos Centrais, como é o bitcoin. “Acredito que se o bitcoin checar a ter representatividade grande no mercado internacional, o Banco Central certamente vai colocar uma regulação forte no funcionamento desse mercado”, fala.