Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.307,05
    -503,67 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Ainda sem apoio suficiente, governo, relator e presidente da Câmara negociam PEC dos Precatórios

·2 min de leitura
Plenário da Câmara dos Deputados

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), o ministro da Cidadania, João Roma, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ainda tentavam, na noite desta quarta-feira, viabilizar a votação da proposta, que enfrenta resistências e problemas de quórum.

Considerada prioritária pelo governo, por abrir um espaço fiscal de mais de 80 bilhões de reais, o que garantiria a margem necessária para o pagamento do Auxílio Brasil, que somado a benefícios temporários, garantirá, no mínimo 400 reais a famílias de baixa renda, a proposta tinha a expectativa de ser votada no plenário da Câmara ainda nesta quarta.

Esbarra, no entanto, no mal-estar de parte dos parlamentares em relação, por exemplo, a alterações promovidas pela PEC que traria prejuízos a professores. E corre ainda o risco de, a cada adiamento, atrasar também o pagamento dos benefícios.

"Estamos indo agora conversar com o presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, para compartilhar o que esta acontecendo. E de lá decidir sobre os procedimentos da apreciação dessa PEC", disse Roma a jornalistas, questionado sobre a estratégia de agir em duas etapas, primeiro a da mobilização e depois a de ajustes no texto e o risco de a votação da PEC não ocorrer nesta quarta.

"Já estamos com o cronograma bem apertado, já começa a me preocupar a operacionalização desse pagamento, que envolve um bastidor muito grande, uma operação gigantesca para poder fazer chegar esses recursos a mais de 17 milhões de brasileiros necessitados", acrescentou.

Por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição, a PEC precisa obter ao menos 308 votos favoráveis em dois turnos de votação. Por isso mesmo, é praxe na Casa só colocar uma matéria dessas em votação quando há certeza de um placar com alguma folga.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos