Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.194,36
    +188,09 (+0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

'Ainda demora um pouquinho', diz Alckmin sobre escolha para o Ministério da Fazenda de Lula

Diante da expectativa para o anúncio de quem vai comandar o Ministério da Fazenda no novo governo, o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), afirmou nesta quarta-feira que a escolha de um nome "ainda irá demorar um pouquinho".

— O presidente (eleito, Luiz Inácio Lula da Silva) não esta com pressa para definir Ministério, agora é hora de ouvir — afirmou ele. Alckmin compareceu ao evento de lançamento de um livro do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski.

Haddad: governo eleito 'ganha tempo' com PEC para encaminhar reforma tributária e nova âncora fiscal

Adiado: Haddad volta a SP e frustra expectativa de anúncio de ministro da Fazenda nesta semana

Segundo Alckmin, Lula tem ouvido os partidos para tomar a decisão que, de acordo com ele, caberá exclusivamente ao futuro presidente.

— Essa é uma decisão do presidente Lula e ele está na fase de ouvir os partidos — disse.

Questionado sobre quando se mudará definitivamente para Brasília, Alckmin, que tem passado a semana na capital federal para os trabalhos da equipe de transição, disse que se instalará apenas em janeiro, após a posse.

Entenda: Por que R$ 135 bi fora do teto, como propõem os economistas da transição, não seria uma expansão de gastos?

No evento desta quarta, no TSE, além de Lewandowski, Alckmin falou com o decano do STF, Gilmar Mendes, e o presidente da Corte Eleitoral, Alexandre de Moraes.