Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.435,60
    +739,42 (+3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Agulha bifurcada e vírus vivo? Veja como são as vacinas da varíola dos macacos

Para controlar a varíola dos macacos (monkeypox), alguns países já começaram a imunizar profissionais de saúde, grupos de risco e contatos de pacientes infectados. Este é o caso dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França. Nesta tarefa, os profissionais de saúde podem contar com duas vacinas: a ACAM200 e a Jynneos.

As duas vacinas disponíveis para a prevenção da varíola dos macacos envolvem o uso de um vírus vivo, o vaccinia. Este agente infeccioso foi criado especificamente para proteger contra a varíola comum (smallpox) — já erradicada do globo —, mas também protege contra a monkeypox. Nessa caso, ocorre o procesos chamado de imunização cruzada.

Duas vacinas podem ser usadas na prevenção da varíola dos macacos (Imagem: Reprodução/Rthanuthattaphong/Envato Elements)
Duas vacinas podem ser usadas na prevenção da varíola dos macacos (Imagem: Reprodução/Rthanuthattaphong/Envato Elements)

Uma curiosidade é que a fórmula ACAM200 usa a mesma estratégia de vacinação que foi adotada para erradicar a varíola do globo: a agulha bifurcada. A seguir, vamos compreender melhor como este dispositivo poderá ser um aliado na prevenção da varíola dos macacos, já que é bastante simples.

Vacina ACAM2000 contra a varíola dos macacos

Desenvolvida pela farmacêutica francesa Sanofi, a vacina ACAM2000 pode ser considerada como uma versão moderna e atualizada da fórmula que era aplicada contra a varíola comum, ainda nos anos 1970. Isso porque contém o mesmo vírus e segue o mesmo método de aplicação.

O imunizante carrega o vírus vaccinia e, após ser aplicado, este agente infeccioso se replica no organismo da pessoa, o que desencadeia a imunidade contra os outros tipos de varíola. No entanto, ele não causa nem a varíola e nem a varíola dos macacos. Em outras palavras, a pessoa não terá os sintomas das outras doenças, já que este é um vírus diferente e que foi selecionado em laboratório.

Vacinação contra a varíola dos macacos pode usar um vírus vivo e agulha bifurcada (Imagem: James Gathany/CDC)
Vacinação contra a varíola dos macacos pode usar um vírus vivo e agulha bifurcada (Imagem: James Gathany/CDC)

O que é agulha bifurcada?

Apesar de parecer um pouco estranho e até antiquado, o uso da agulha bifurcada é um método bastante eficaz e barato. Inclusive, é considerado um dos fatores que permitiu a erradicação da varíola do globo, já que a aplicação demanda apenas uma dose, com múltiplas agulhadas.

De acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), esta agulha recebe o nome de lanceta bifurcada, sendo composta por "uma fina haste de aço inoxidável de, aproximadamente, cinco centímetros de comprimento e com duas pontas em formato de forquilha em uma de suas extremidades".

Após a aplicação, a pessoa desenvolverá anticorpos contra o vírus a partir de quatro semanas. De forma semelhante que ocorre com a BCG (Bacilo Calmette–Guérin), a aplicação deixa uma pequena marca no braço.

Uso da agulha bifurcada foi comum na vacinação contra a varíola (Imagem: James Gathany/CDC)
Uso da agulha bifurcada foi comum na vacinação contra a varíola (Imagem: James Gathany/CDC)

Quem não pode tomar?

Como a ACAM2000 carrega um vírus vivo e que não foi atenuado, o seu uso não é indicado para indivíduos imunossuprimidos, já que em pessoas com o sistema imune enfraquecido há potencial risco de provocar complicações. Também não é recomendada para gestantes e crianças com menos de um ano. Além disso, pessoas com alergia a algum item do composto não devem recebê-lo.

Quais são as reações mais comuns?

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, as reações mais comuns da fórmula contra a varíola dos macacos são:

  • Dor no local da injeção, inchaço e vermelhidão;

  • Febre;

  • Irritação na pele;

  • Inchaço dos linfonodos;

  • Possíveis complicações da inoculação quando não é bem feita.

Imunizante Jynneos é a opção mais nova

Além da ACAM2000, alguns países já contam com uma vacina que pode ser considerada mais moderna contra a varíola dos macacos: a Jynneos. Em alguns locais, a fórmula produzida pela farmacêutica dinamarquesa Bavarian Nordic pode receber o nome de Imvamune ou Imvanex. A vacinação pode ser recomendada para quem tem mais de 18 anos.

Diferente da outra vacina, a Jynneos é aplicada com agulha padrão — por via subcutânea —, mas demanda duas doses para que o paciente obtenha a máxima proteção. A imunidade já é significativa a partir de 15 dias da segunda dose.

Quem pode usar?

A Jynneos contém o vírus vaccinia, mas este foi é enfraquecido (atenuado) em laboratório para se tornar incapaz de causar formas mais graves da doença. Sobre a questão, o CDC detalha que o agente infeccioso "não se replica eficientemente em células humanas". Por isso, o uso do imunizante é mais amplo e pode ser aplicado em pessoas imunossuprimidas, como em quem convive com o HIV.

Vacina Jynneos usa agulha normal e demanda duas doses para imunizar (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Vacina Jynneos usa agulha normal e demanda duas doses para imunizar (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Apesar do uso mais amplo, a vacina não é indicada para pessoas que tenham alergia a algum componente da fórmula, como gentamicina, ciprofloxacina, proteína do ovo.

Quais são as reações?

De acordo com o CDC, as reações mais comuns se concentram no local da injeção. Nesses casos, os pacientes vacinados podem relatar dor, inchaço e vermelhidão.

Tem vacina contra a varíola dos macacos no Brasil?

No momento, o Brasil ainda não tem estoque de nenhuma das vacinas contra a varíola dos macacos disponíveis. No entanto, o Ministério da Saúde se organiza, com a Organização Mundial da Saúde (OMS), para adquirir doses do imunizante. Segundo a Saúde, as negociações estão sendo feitas de forma global com o fabricante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos