Mercado fechado

AGU suspende promoção de 606 servidores ao topo da carreira

Ana Paula Ramos
·1 minuto de leitura
Prédio da Advocacia-Geral da União (AGU), em Brasília (Foto: Wesley Mcallister / AscomAGU)
Prédio da Advocacia-Geral da União (AGU), em Brasília (Foto: Wesley Mcallister / AscomAGU)

A Advocacia-Geral da União (AGU) suspendeu a promoção de 606 procuradores para o topo da carreira, com salário de R$ 27,3 mil por mês. Após a repercussão negativa, o órgão revogou a decisão de 18 de setembro que havia elevado 92% dos membros da Procuradoria-Geral Federal ao ponto mais alto da categoria.

Na determinação, o coordenador-geral de Pessoal da AGU, Watson Oliveira, alegou como justificativa os “questionamentos suscitados com a publicação do referido ato”.

Anteriormente, a Advocacia-Geral da União havia afirmado que as promoções são realizadas semestralmente e com base em dois critérios: antiguidade e merecimento.

Leia também:

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) havia pedido, nesta quinta-feira (24), uma liminar para suspender o aumento salarial que foi concedido a 607 procuradores federais promovidos pela AGU (Advocacia-Geral da União), dos quais 606 foram para o topo da carreira, com salário de R$ 27,3 mil por mês.