Mercado fechará em 4 h 16 min
  • BOVESPA

    108.885,47
    -91,23 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,71
    -1,57 (-2,06%)
     
  • OURO

    1.748,50
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    16.269,82
    -280,96 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,58
    +1,29 (+0,34%)
     
  • S&P500

    4.007,21
    -18,91 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    34.207,30
    -139,73 (-0,41%)
     
  • FTSE

    7.457,89
    -28,78 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.743,50
    -39,25 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6114
    -0,0130 (-0,23%)
     

Agricultores do Sul usam fogo para salvar lavouras da geada

CAMPINAS, SP (FOLHAPRESS) - Agricultores do Sul do país têm usado fogo para evitar prejuízos nas lavouras e controlar perdas com as geadas. A fruticultura, segundo o MetSul Metereologia, é um dos setores mais afetados pelo frio intenso e fora de época neste começo de novembro, com registros de geada e até queda de neve no Sul do Brasil.

O frio intenso e uma forte massa de ar polar que atingiram Santa Catarina foram os responsáveis pela neve que caiu na manhã de terça-feira (1º) na Serra de Urubici. O fenômeno nunca havia sido registrado no mês de novembro e deixou a temperatura negativa em -0,4° C, mas com a sensação térmica de -20° C.

De acordo com o Metsul, o frio tardio e intenso neste ano compromete parte da safra e traz prejuízo aos agricultores.

Em São Joaquim (SC), os produtores fizeram diversas fogueiras entre os pomares de maçãs durante a madrugada para tentar salvar a produção.

O MetSul afirma que a técnica foi usada em outros lugares do estado, como na cidade de Curitibanos, onde foram acesas cerca de 140 fogueiras entre as videiras da vinícola Berto Aguiar.

A técnica, aplicada para evitar o congelamento das frutas e aumentar a temperatura no local, foi usada na madrugada de quarta-feira, quando a temperatura chegou a 1º C, medido na estação da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

"Nossos vinhedos, na madrugada do dia 2 de novembro foram palco da temida geada fora de época", publicou a vinícola em uma rede social.

Segundo o MetSul, há relatos de prejuízos, ainda não contabilizados, em lavouras de milho e trigo no Rio Grande do Sul e no Paraná.

Na sexta, as temperaturas ficaram abaixo de 1º em municípios de Santa Catarina, como São Joaquim (-0,7ºC), Urubici (0,2ºC), e no Rio Grande do Sul, como em São José dos Ausentes (0,4ºC).