Mercado abrirá em 50 mins
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,75
    -1,15 (-1,48%)
     
  • OURO

    1.920,40
    -18,80 (-0,97%)
     
  • BTC-USD

    22.861,03
    -404,09 (-1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    518,29
    -19,58 (-3,64%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.720,48
    -64,39 (-0,83%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.886,75
    -81,25 (-0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5106
    -0,0364 (-0,66%)
     

Agricultores bravos viram o mais novo foco da luta climática

(Bloomberg) -- Foi necessária uma ameaça existencial para transformar um produtor de leite de quinta geração em um manifestante antigovernamental.

Bart Kooijman cria 120 vacas em 50 hectares no oeste da Holanda. Se as autoridades avançarem com planos de reduzir pela metade as emissões de nitrogênio da agricultura até 2030, sua fazenda poderá estar entre as milhares que terão que encolher ou fechar.

Em uma tentativa de conter um verão de fúria, que levou agricultores a incendiarem fardos de feno e despejarem esterco nas rodovias, o governo holandês disse em novembro que comprará até 3.000 fazendas entre os maiores emissores, reservando € 24,3 bilhões (US$ 25,6 bilhões) para financiar a transição. Quem se recusar deve acabar perdendo o negócio.

“Não queremos fazer incêndios ou bloquear estradas, mas se não fizermos nada, acabou”, diz Kooijman, pai de dois filhos. “Seremos simplesmente expulsos da terra.”

A agricultura intensiva — e décadas de inação — devastaram a biodiversidade na Holanda, forçando o governo a impor medidas drásticas. Mas a crise holandesa serve como um alerta para governos de todo o mundo, em um ano de seca recorde, inundações e incêndios que nos obriga a considerar a maneira como produzimos o bem mais essencial: alimentos.

Embora seja uma das maiores vítimas de eventos climáticos extremos, a agropecuária também virou um enorme problema no aquecimento global. Do campo à mesa, o sistema alimentar gera cerca de 31% das emissões de gases de efeito estufa.

Vacas e ovelhas emitem metano, que aquece o planeta, simplesmente digerindo alimentos. Seu esterco e urina também são uma fonte de óxido de nitrogênio que, em grandes volumes, desequilibra os ecossistemas. Muitos fertilizantes e pesticidas estão envenenando solos e água, enquanto produtores desmatam extensões cada vez maiores de floresta tropical para gado ou monocultura, destruindo sistemas complexos que abrigam vida selvagem e regulam a temperatura da Terra.

As emissões agrícolas aumentaram 14% entre 2000 e 2018, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Se a ação não for tomada rapidamente, os pesquisadores estimam que apenas as emissões relacionadas aos alimentos levariam a Terra a ultrapassar os 1,5°C de aquecimento que os líderes mundiais estabeleceram como meta no Acordo de Paris de 2015.

Então, depois de focar durante anos em combustíveis fósseis, os formuladores de políticas começam a focar na agricultura também.

Politicamente, no entanto, a agricultura pode ser mais difícil de enfrentar do que setores como mineração, energia ou automóveis, que são dominados por um pequeno número de grandes players corporativos. Os agricultores são uma força de milhões, alguns com pequenas propriedades que estão com suas famílias há gerações, dando-lhes um apego à terra que é mais profundo do que o lucro.

A alta de preços dos alimentos, combustíveis e fertilizantes já está estimulando a indignação pública. Agricultores poloneses e gregos dirigiram tratores para suas capitais para expressar queixas no início deste ano e protestos em solidariedade aos agricultores holandeses eclodiram em toda a Europa.

Os protestos aumentaram em todo o mundo — na Europa, eles aumentaram 30% em relação a 2021 — e devem ganhar força nos próximos meses e anos, impulsionados pela inflação, seca e regulamentação ambiental mais rigorosa, de acordo com um rastreador da consultoria de risco político Verisk Maplecroft.

A agricultura é um importante setor de exportação para muitos países, mas a alimentação também é uma necessidade humana básica, e o que comemos está muitas vezes enraizado em nossas tradições e senso de identidade. É uma questão muito mais politicamente complexa do que outras.

É por isso que o impasse holandês ganhou repercussão internacional, lançando os agricultores para o centro de uma guerra cultural global que em que são demonizados por ativistas que defendem estilos de vida veganos e idolatrados por grupos de direita que se opõem às regulamentações governamentais em tudo, desde Covid ao clima.

Até o ex-presidente Donald Trump se aproveitou disso. “Agricultores na Holanda — de todos os lugares — estão se opondo corajosamente à tirania climática do governo holandês”, disse ele em um comício em julho.

O problema para agricultores, consumidores e formuladores de políticas é que estamos ficando sem tempo. Desastres relacionados ao clima aumentaram cinco vezes no último meio século. Apenas neste ano, as inundações submergiram áreas do Paquistão, enquanto secas afetaram colheitas dos EUA ao Brasil.

--Com a colaboração de Diederik Baazil, Morwenna Coniam e Jennifer A. Dlouhy.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.