Mercado fechado

Agricultores argentinos anunciam greve contra suspensão de exportações de milho

Maximilian Heath
·1 minuto de leitura
Área de produção de milho em Chivilcoy, Argentina

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) - Produtores rurais da Argentina farão uma greve comercial de 72 horas a partir da próxima segunda-feira, em protesto contra a decisão do governo argentino de suspender temporariamente as exportações de milho, disseram três das principais associações rurais do país nesta terça-feira.

O governo da Argentina, grande fornecedora global de alimentos, suspendeu na semana passada o registro de novas exportações de milho com datas de embarque até fevereiro, visando garantir o abastecimento doméstico do cereal, em uma decisão inesperada para a cadeia agrícola.

A medida do presidente peronista Alberto Fernández reacendeu tensões históricas entre o partido governista, que tende a recorrer a políticas de intervenção nos mercados, e o setor rural, favorável a políticas mais liberais.

"Rejeitamos o fechamento dos registros de exportação de milho, por se tratar de uma medida absolutamente prejudicial para o campo e para a Argentina como um todo, como temos sustentado desde seu anúncio", disseram em comunicado as associações agropecuárias CRA, SRA e Coninagro.

Segundo as entidades, a medida de força terá início à meia-noite de segunda-feira, dia 11, e terminará na quarta-feira, 13. O protesto pedirá que o governo de Fernández reveja a medida.

Na tarde desta terça-feira, o Centro de Exportadores de Cereais (CEC) --que reúne importantes empresas agroexportadoras, como Bunge e Cargill-- alertou que a decisão do governo argentino pode ter um impacto negativo no comércio exterior de milho do país.