Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.952,23
    +423,26 (+0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    -1,58 (-2,52%)
     
  • OURO

    1.794,50
    +16,10 (+0,91%)
     
  • BTC-USD

    55.629,57
    -366,15 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.286,49
    +23,53 (+1,86%)
     
  • S&P500

    4.170,75
    +35,81 (+0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.135,06
    +313,76 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.872,25
    +78,00 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7017
    -0,0008 (-0,01%)
     

Agravamento da pandemia leva Indicador Antecedente de Emprego a mínima em 7 meses, diz FGV

·2 minuto de leitura
Anúncios de emprego no centro de São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - O agravamento da situação da pandemia no Brasil prejudicou as perspectivas para o mercado de trabalho brasileiro e levou o Indicador Antecedente de Emprego em março ao menor nível em sete meses.

Os dados divulgados nesta quinta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostram que o IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, teve queda de 5,8 pontos em março e chegou a 77,1 pontos, mínima desde agosto de 2020 (74,8 pontos).

"Essa tendência de piora dos indicadores do mercado de trabalho em 2021 é justificada pelo agravamento do quadro da pandemia e as consequentes medidas restritivas", explicou o economista da FGV Ibre Rodolpho Tobler em nota.

"O retorno para um caminho de recuperação ainda depende da velocidade do programa de vacinação e da melhora da atividade econômica", completou.

Já o Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) recuou 0,2 ponto, para 99,1 pontos. O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado.

"O resultado sugere que a taxa de desemprego deve se manter em níveis historicamente altos no primeiro semestre de 2021 e ainda sem perspectiva de melhora no curto prazo. Com o andamento da vacinação, os números podem ser mais positivos, ou menos negativos, na segunda metade do ano", completou Tobler.

No trimestre ate janeiro, a taxa de desemprego do Brasil ficou em 14,2%, de 14,3% de agosto a outubro de 2020, segundo os dados do IBGE, maior nível para o período.

O número de pessoas ocupadas registrou a maior expansão para um trimestre encerrado em janeiro ainda como resultado da força vista no fim do ano e mantendo o caráter de informalidade na recuperação do mercado de trabalho sob impactos da pandemia.

(Por Camila Moreira)