Mercado fechará em 4 h 45 min
  • BOVESPA

    129.615,84
    +848,39 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.203,16
    +73,28 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,63
    +0,78 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.789,20
    +11,80 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    34.211,52
    +4.709,09 (+15,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    826,60
    +16,40 (+2,02%)
     
  • S&P500

    4.247,71
    +1,27 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    33.919,54
    -26,04 (-0,08%)
     
  • FTSE

    7.101,45
    +11,44 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.253,50
    -4,75 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9420
    +0,0222 (+0,38%)
     

Agora mais baratos, campos de Atapu e Sépia atraem estrangeiros

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As gigantes do petróleo estão reavaliando duas áreas do pré-sal que ficaram sem interessados no leilão de 2019 após a decisão do governo de reduzir em 70% o bônus de assinatura em uma nova concessão.

O governo deve divulgar em junho as diretrizes para o leilão das áreas nos campos de Atapu e Sépia e espera que as negociações com as petroleiras estrangeiras “se intensifiquem nos próximos meses”, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em entrevista.

O Brasil quer viabilizar a exploração de suas enormes reservas de óleo e gás no pré-sal, onde projetos podem levar anos para começar a produzir, antes que o valor desses ativos seja comprometido pela transição energética. O governo espera arrecadar cerca de R$ 11 bilhões em bônus de assinatura para os dois blocos, uma meta mais modesta que a de quase R$ 37 bilhões de dois anos atrás.

“Entendemos que o mais importante para o Brasil neste momento, para este leilão, são os investimentos que serão feitos e o retorno obtido”, disse Albuquerque. “Estamos conversando com todos, e todos estão procurando.”

A Petrobras já produz no campo de Atapu e espera extrair o primeiro óleo em Sépia neste ano, reduzindo qualquer risco de exploração na área adjacente que o Brasil oferecerá em dezembro. Os atuais parceiros da Petrobras no Atapu são Galp Energia, Total e Royal Dutch Shell. No Sépia, a Galp é o único parceiro.

Faz sentido ter os mesmos grupos nos dois lados de cada campo, e a Petrobras poderia negociar com seus parceiros lances acima dos valores mínimos para evitar a concorrência, disse Marcelo de Assis, chefe de pesquisa upstream latino-americana da consultoria Wood Mackenzie.

O Brasil também quer acabar com o modelo de partilha, considerado mais oneroso, em futuras rodadas de licitações e retomar um regime de concessão mais simples e de maior aceitação entre produtores de petróleo, disse Albuquerque. O governo tem pressionado o Congresso para fazer essas mudanças, o que pode acontecer em meados deste ano, afirmou.

“Precisamos de um regime mais acessível que traga mais atividade”, disse. “O Brasil é um país em desenvolvimento, vai retomar o crescimento econômico. Sua economia vai ser dinâmica e vai precisar desse petróleo.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos