Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    111.196,88
    +524,12 (+0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.404,58
    +1,88 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,63
    +0,67 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.786,80
    +16,30 (+0,92%)
     
  • BTC-USD

    66.393,80
    +3.573,82 (+5,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.545,28
    +64,48 (+4,35%)
     
  • S&P500

    4.537,22
    +17,59 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    35.653,26
    +195,95 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.395,25
    -3,25 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4637
    -0,0325 (-0,50%)
     

Agências europeias questionam Facebook sobre privacidade de óculos inteligentes

·3 minuto de leitura

Reguladores de segurança e privacidade na Europa estão preocupados com os novos smart glasses Ray-Ban lançados pelo Facebook. Os produtos podem tirar fotos e gravar vídeos a partir de um comando de voz.

Na sexta (17), a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda (DPC, na sigla em inglês) pediu para que o Facebook apresente provas de que o LED presente na armação dos óculos Ray-Ban Stories, que se acende quando a câmera do dispositivo está em ação, é uma forma efetiva de mostrar que o aparelho está realizando filmagens ou tirando fotos.

Para a DPC, a diferença do Ray-Ban Stories para smartphones que também contam com câmeras é que, no caso dos celulares, as pessoas sabem o que esperar, enquanto nos óculos, o indicador que mostra que a câmera está em ação é um pequeno LED vermelho. Ainda para o órgão, nem o Facebook e nem a Ray-Ban realizaram testes para checar se essa luz vermelha é uma forma efetiva de informar sobre a atividade do dispositivo.

Outras autoridades de proteção de dados na Europa, como a Guarante da Itália, também expressaram preocupações com o dispositivo, mas para o Facebook as preocupações que mais podem apresentar possíveis mudanças nos dispositivos são a da DPC da Irlanda, já que a sede da gigante das redes sociais no continente europeu é localizada em Dublin, capital irlandesa.

<em>O Ray-Ban Stories. (Imagem: Divulgação/Facebook)</em>
O Ray-Ban Stories. (Imagem: Divulgação/Facebook)

O smart glasses, ou “óculos inteligente”, do Facebook em parceria com a Ray-Ban foi anunciado ano passado, com a empresa o considerando o “próximo passo” no seu plano de criar óculos de realidade aumentada. Ele foi disponibilizado no começo de setembro, com design que se assemelha muito ao encontrado em óculos escuros comuns.

O Ray-Ban Stories conta com duas câmeras de 5MP na frente do dispositivo, que permitem que o usuário capture fotos e filme vídeos que podem ser vistos no novo aplicativo da gigante das redes sociais, o View.

O aparelho também conta com alto-falantes na armação, que servem para que o usuário possa escutar música e falar no telefone. Na Europa, eles estão disponíveis na Irlanda, Itália, na União Européia e no Reino Unido, pelo preço de US$ 299, cerca de R$ 1.500 na cotação atual.

Facebook responde

Questionado pelo site Techcrunch sobre os comentários das autoridades de proteção de dados europeias, um porta-voz do Facebook disse que “sabe que é normal pessoas terem dúvidas sobre novas tecnologias e como elas funcionam. Nós (Facebook) iremos trabalhar junto dos órgãos regulatórios, incluindo o departamento irlandês como nosso principal regulador, para ajudar a população a entender melhor como os novos dispositivos funcionam e quais são suas funções”

A empresa também comentou que já estava realizando conversas com a DPC antes do lançamento dos óculos, informação que foi confirmada em partes com o órgão, que alegou que a companhia só mostrou a transparência do uso de dados do dispositivo, e não as funções do mesmo.

O Facebook, na Europa, tem um histórico de adiar o lançamento de seus produtos por questões de segurança de dados. Funções como o serviço de namoro do site foram disponibilizados mais de 9 meses depois do lançamento mundial, com mudanças pedidas pelos órgãos regulatórios europeus.

O WhatsApp, mensageiro da empresa de Zuckerberg, também tem mais limitações no compartilhamento de dados com a companhia na Europa, também graças a condições regulatórias, mas mesmo assim investigações sobre segurança de dados do aplicativo também são recorrentes lá.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos