Mercado fechado

Agência da UE é chave em luta para conter propagação de coronavírus na Europa

Por Johannes LEDEL
Sede do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Enfermidades, na Suécia

Com a multiplicação dos casos do novo coronavírus em todo o mundo e, particularmente, na Europa, o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Enfermidades (ECDC, sigla em inglês) se tornou uma ferramenta essencial para conter a epidemia.

O ECDC, com sede em Estocolmo, está na vanguarda da luta contra o vírus na Europa, que até agora infectou mais de 3.300 pessoas em todo o continente.

O centro, que trabalha com agências de saúde públicas e privadas, tem uma visão global da doença, antecipa sua evolução e propõe as medidas a serem tomadas.

Ele não se concentra "na doença de um paciente em particular, mas na epidemia como um todo", disse Josep Jansa, diretor do estudo e resposta à seção epidêmica, à AFP.

A agência estabelece uma série de diretrizes - como quando os pacientes devem ser testados - para que os recursos médicos sejam usados com eficiência.

"Quando você tem 100 casos, pode lidar com isso, mas se você tiver 10.000, é necessário priorizar, porque não é possível testar cada indivíduo", acrescenta Jansa.

A agência detectou os primeiros sinais da nova epidemia no final de 2019 - um conjunto de casos de pneumonia na China - e se preparou para se espalhar pelo território europeu.

Até agora, a epidemia do COVID-19 infectou mais de 93.000 pessoas, matando 3.200 delas, principalmente na China.

A Itália se tornou o principal foco da Europa, com 3.089 casos, embora a doença tenha se espalhado para 28 países do continente europeu, com 107 mortes, segundo dados do ECDC.

- Responder à crise -

Criada em 2004, a agência surgiu como resultado da resposta desarticulada da União Europeia à epidemia de Sars em 2003.

Essa epidemia revelou a necessidade de uma agência coordenar recomendações sobre como os governos europeus deveriam responder a crises semelhantes.

Os escritórios do ECDC exalam tranquilidade, embora a presença da crise esteja em toda parte. Os relógios nas paredes, além de marcar a hora local, indicam o da cidade chinesa de Wuhan, epicentro da epidemia, onde o vírus surgiu em dezembro passado. As telas da televisão mostram gráficos e mapas da propagação da doença, e muitos computadores têm a imagem microscópica do vírus como papel de parede. A mensagem "Fase aguda do nível 2 do PHE" aparece em todo o escritório.

PHE significa Evento de Saúde Pública e o nível 2 é o mais alto em uma escala de três, que começa em zero, em uma situação completamente normal.

Como a agência elevou o nível ao alerta máximo, no final de janeiro, duas equipes se revezam desde o início da manhã até a noite para apoiar os Estados membros na preparação de suas respostas.

- Antecipar a epidemia -

Grande parte do trabalho da agência está focada em antecipar ou prever epidemias.

Todos os dias, às seis da manhã, a equipe do ECDC dedicada a epidemias inicia sua jornada. Foi esse grupo que detectou os sinais do novo coronavírus antes que as autoridades chinesas o anunciassem oficialmente, e no início de janeiro eles tinham elementos suficientes para ativar seu trabalho no modo de emergência.

"É como um quebra-cabeça, você começa a encontrar a primeira peça e, com o passar dos dias, as outras são colocadas no lugar, e então você começa a ter uma imagem global do quebra-cabeça", disse o líder da equipe, Thomas Mollet, à AFP.

Segundo Mollet, os instrumentos disponíveis para a equipe agora permitem que ele acompanhe a evolução da epidemia em tempo real "pela primeira vez na história".