Mercado abrirá em 6 h 8 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,86
    +1,60 (+2,41%)
     
  • OURO

    1.782,90
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    48.893,54
    -456,80 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.257,36
    -184,40 (-12,79%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.457,59
    -309,10 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    27.941,04
    -88,53 (-0,32%)
     
  • NASDAQ

    15.742,25
    +24,50 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3794
    -0,0159 (-0,25%)
     

Agência europeia aprova pílula anticovid da MSD para uso emergencial

·2 min de leitura
Imagem fornecida pelo laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD) mostrando cápsulas da pílula anticovid molnupiravir, em 18 de outubro de 2021 (AFP/Handout)

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) anunciou nesta sexta-feira (19) a aprovação na União Europeia (UE) do fármaco anticovid do laboratório Merck Sharp and Dohme (MSD), conhecido como molnupiravir, para uso emergencial, mas ainda sem a autorização completa de comercialização.

Além disso, a agência iniciou a avaliação de outro comprimido anticovid, da farmacêutica Pfizer, no contexto de uma nova onda de contágios na Europa.

Os tratamentos dos dois gigantes americanos são muito esperados, pois os estudos indicam que os mesmos reduzem as chances de hospitalização e morte em pacientes de alto risco.

A EMA assinalou que, apesar de o fármaco da MSD ainda não ter recebido a aprovação completa, "emitiu recomendações" para que os países do bloco possam decidir sobre o seu uso em caso de aumento das infecções.

Os Estados-membros poderão utilizá-lo "para tratar os adultos com covid-19 que não necessitem de oxigênio suplementar e que têm maior risco de desenvolver a forma grave" da doença, disse a EMA em comunicado.

"A EMA emitiu esta decisão para respaldar as autoridades nacionais, que poderão decidir sobre o possível uso precoce do medicamento, antes da autorização de comercialização, por exemplo em situações de emergência", disse o órgão regulador.

Contudo, o molnupiravir não deve ser utilizado por gestantes nem por mulheres que não utilizem métodos contraceptivos e podem engravidar, segundo a EMA.

Essas recomendações se devem ao fato de que altas doses da pílula do MSD "podem ter impacto no crescimento e no desenvolvimento do feto", de acordo com os estudos, informou a agência.

O órgão regulador também declarou que espera tomar uma decisão sobre a aprovação formal do molnupiravir até o final do ano, e, em paralelo, anunciou que já começou a avaliar a autorização de emergência do fármaco anticovid da Pfizer.

"A EMA está revisando os dados atualmente disponíveis sobre o uso do Paxlovid, um tratamento oral para a covid-19 desenvolvido pela Pfizer", declarou.

cvo/pc/meb/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos