Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.926,41
    -533,71 (-1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Agência Espacial Europeia coloca em marcha missão para Vênus

·1 minuto de leitura
Imagem de Vênus fornecida pela NASA

A Agência Espacial Europeia (ESA) selecionou, nesta quinta-feira (10), a sonda EnVision para uma missão a Vênus programada para 2030, a fim de entender como esse planeta se tornou um inferno tóxico inabitável.

A decisão vem uma semana depois que a NASA anunciou duas novas missões para Vênus, Davinci+ e Veritas, entre 2028 e 2030.

A sonda EnVision, que competia com outro projeto chamado Theseus, foi finalmente selecionada pelo comitê do programa científico da ESA por sua tecnologia "revolucionária", explicou a agência (22 Estados-membros) em um comunicado.

O orbitador embarcará uma série de instrumentos europeus que oferecerão "uma visão global do planeta, de seu núcleo interno à alta atmosfera, a fim de determinar como e por que Vênus e a Terra evoluíram de forma tão diferente".

Embora Vênus tenha aproximadamente o mesmo tamanho e composição da Terra, sofreu mudanças climáticas dramáticas, evoluindo "em uma atmosfera tóxica e envolta em densas nuvens ricas em ácido sulfúrico", explicou a ESA.

A oportunidade de lançamento mais próxima para EnVision é 2031, e outras opções são possíveis em 2032 e 2033.

Após a decolagem, EnVision levará cerca de 15 meses para chegar ao seu destino e outros 16 meses para chegar à sua órbita elíptica final, na qual irá oscilar entre 220 e 540 km do planeta.

Os espectrômetros a bordo irão monitorar os gases na atmosfera e analisar a composição da superfície, "procurando por quaisquer mudanças relacionadas a sinais de vulcanismo ativo".

Um radar fornecido pela NASA enviará imagens e mapas da superfície.

Um instrumento também permitirá sondar a estrutura interna do planeta e seu campo gravitacional.

A missão anterior da ESA, Venus Express (2005-2014), centrou-se principalmente na investigação atmosférica.

juc/may/mpm/mis/mb/mr