Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.221,32
    +468,94 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Agência dos EUA discute dose de reforço contra Covid para maiores de 16 anos

·2 minuto de leitura
Sede da FDA em Maryland, nos Estados Unidos

Por Manojna Maddipatla e Michael Erman

(Reuters) - O debate sobre a necessidade de os norte-americanos tomarem uma dose de reforço da vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech avançou para um comitê de conselheiros especialistas independentes da Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) nesta sexta-feira.

Embora autoridades dos EUA, de alguns outros países e fabricantes de vacina digam que os reforços são necessários, muitos cientistas e especialistas em vacina discordam.

Muitos afirmam que, embora existam evidências robustas de que as doses de reforço fornecem aumento de proteção contra infecção e quadros graves para pessoas com mais de 65 anos, não há evidências suficientes de que elas são necessárias para pessoas mais jovens.

Por conta disso, alguns cientistas --e analistas de Wall Street-- disseram esperar que as doses de reforço sejam usadas primeiro nos norte-americanos mais velhos, mas não está claro como isso transcorrerá após a reunião desta sexta.

O pedido feito pela Pfizer à FDA foi para aplicação de doses de reforço para pessoas com mais de 16 anos e o painel da agência terá de analisar apenas uma questão: os dados de eficácia e segurança apoiam a aprovação de uma dose de reforço a ser aplicada pelo menos seis meses depois da segunda dose em pessoas com 16 anos ou mais?

A equipe da FDA disse em documentos preparados para o comitê nesta semana que a vacina da Pfizer desenvolvida com a alemã BioNTech é muito eficaz na prevenção de doenças graves e mortes e que os indícios que mostram se sua eficácia diminui com o tempo são mistos.

Sara Oliver, autoridade do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), questionou em apresentação ao comitê de especialistas nesta sexta se a redução da proteção da vacina se deve ao passar do tempo depois da primeira dose ou à disseminação da variante Delta do coronavírus.

A Delta, altamente transmissível, provocou um aumento nas internações e mortes, especialmente entre os não vacinados. Mas as infecções em pessoas completamente vacinadas aumentaram e elas podem ocasionalmente transmitir o vírus a pessoas que não se vacinaram.

O governo do presidente dos EUA, Joe Biden, espera que a aplicação de uma dose de reforço ajude a reduzir essas infecções e a desacelerar a transmissão.

A Pfizer, que defende o uso abrangente de uma terceira dose, apresentou dados de uma análise com mais de 300 participantes de seu teste clínico de estágio avançado que apontaram que a eficácia da vacina diminuiu cerca de 6% a cada dois meses após a segunda dose e que uma dose adicional reforçou a imunidade.

O Comitê de Aconselhamento de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da FDA também analisará dados de Israel, que está administrando doses de reforço da vacina Pfizer/BioNTech.

O país começou a oferecê-las a jovens de até 12 anos no mês passado, ampliando a campanha iniciada em julho para pessoas de mais de 60 anos.

(Por Manojna Maddipatla e Ankur Banerjee em Bengaluru)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos