Mercado fechado

Agência dos EUA barra Huawei e ZTE de programa de subsídio governamental

Por David Shepardson

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC) votou por 5-0 nesta sexta-feira para designar as companhias chinesas Huawei e ZTE como riscos à segurança nacional, impedindo que operadoras de telefonia em áreas rurais do país tenham acesso a um fundo federal de 8,5 bilhões de dólares destinado à compra de equipamentos ou serviços.

O regulador de telecomunicações dos EUA também decidiu exigir que essas operadoras removam e substituam equipamentos da Huawei e da ZTE de suas redes existentes.

Esta é a mais recente de uma série de ações do governo dos EUA destinadas a impedir que empresas norte-americanas comprem equipamentos Huawei e ZTE. As duas empresas chinesas terão 30 dias para contestar a decisão e uma ordem final de remoção obrigatória de equipamentos não é esperada até o próximo ano.

A Huawei chamou a decisão de "ilegal" e pediu à FCC que "repense sua ordem profundamente equivocada". Argumentou que a decisão da FCC se baseava "em nada mais do que especulações irracionais e insinuações".

O comissário da FCC Geoffrey Starks, democrata, disse que a substiuição de equipamentos das redes rurais dos EUA pode custar até 2 bilhões de dólares.

A FCC argumentou que os laços das empresas com o governo chinês e as leis da China que exigem que essas empresas ajudem o governo em atividades de inteligência representam um risco à segurança nacional dos EUA.

O Congresso dos EUA está considerando uma lei para autorizar até 1 bilhão de dólares para fornecedores substituirem equipamentos de rede das empresas chinesas. A FCC poderá utilizar o fundo para pagar pela substituição de equipamentos se o Congresso não agir.

Cerca de uma dúzia de operadoras de telecomunicações rurais dos EUA que dependem de equipamentos baratos da Huawei e da ZTE estão negociando com as europeias Ericsson e Nokia a substituição de seus equipamentos chineses, informou a Reuters em junho.

Washington está pressionando aliados para não concederem acesso à Huawei às redes 5G, afirmando que os equipamentos da Huawei podem ser usados para espionagem por Pequim, o que a empresa chinesa nega repetidamente.