Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,57
    +0,25 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.741,70
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    60.090,54
    +594,23 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,50
    +53,96 (+4,40%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.771,75
    -57,75 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7627
    -0,0015 (-0,02%)
     

Agência dos Estados Unidos aprova vacina contra Covid-19 da Janssen

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A FDA, agência reguladora de medicamentos e produtos alimentares dos Estados Unidos, aprovou neste sábado (27) o registro da vacina contra a Covid-19 da Janssen, braço da Johnson & Johnson. A farmacêutica havia dito que já teria 4 milhões de doses para pronta entrega seguindo a autorização. De acordo com o New York Times, a Janssen prometeu fornecer 100 milhões de doses aos Estados Unidos até o final de junho. Com isso, o país -que também já autorizou o uso em massa da vacina da Pfizer e da Moderna, e deve receber 600 milhões de unidades delas até julho, segundo o jornal- terá mais doses do que o necessário para vacinar toda a sua população adulta que queira ser vacinada. Na quarta (24), a agência havia divulgado uma análise de eficácia da vacina em dose única que mostrou que o imunizante tem eficiência global de 72%, seis pontos percentuais acima do indicando preliminarmente. Em uma avaliação interina, divulgada no dia 29 de janeiro, a vacina produzida a partir de um adenovírus (vírus de resfriado comum) e chamada Ad26.CoV2.S -Abreviação para adenovírus 26 Sars-CoV-2 proteína S-, havia apresentado eficácia global de 66%, mas com proteção de até 85% contra casos graves da doença. Esses dados se referiam aos voluntários avaliados nos EUA. Um segundo estudo na América Latina havia apontado para uma eficácia também de 66% em impedir hospitalização, enquanto um subgrupo sul-africano teve uma pequena queda na eficácia, de 57%. Agora, os dados de 45 mil voluntários foram reanalisados pelo FDA e apontaram para uma eficácia global de 72%, seis pontos percentuais acima do indicando preliminarmente, e 64% na África do Sul, onde uma nova variante mais contagiosa e com possibilidade de escape da resposta imunológica surgiu e é dominante atualmente. Na nova análise, a proteção contra casos graves da doença subiu para 86% nos EUA, enquanto na África do Sul essa mesma proteção foi de 82%, o que reduz em muito o risco de morte por uma pessoa vacinada. Há também fortes indicativos, segundo o órgão, que a vacina pode ajudar a impedir a transmissão pelo vírus em pelo menos 74%, embora os dados de voluntários assintomáticos ainda são muito pequenos para assegurar com certeza. A vacina que é de dose única tem também a vantagem de ser armazenada em geladeiras comuns, em temperaturas de 2º a 8º C, o que torna sua distribuição e utilização mais fáceis. Além da oferta nos EUA, a vacina da Janssen também terá papel importante na vacinação na África do Sul e em outros países africanos, que estão para trás na distribuição das doses no mundo.