Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.616,03
    -646,28 (-1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Afinal, anticorpos da mãe contra COVID são transmitidos para o bebê pelo leite?

·3 minuto de leitura

O aleitamento materno gera inúmeros benefícios para o bebê. Por exemplo, o leite da mãe é repleto de nutrientes para o desenvolvimento saudável do recém-nascido, mas também possuí um papel importante em relação à imunização e proteção contra doenças. Agora, pesquisadores brasileiros apontam para a possível transmissão de anticorpos contra a COVID-19 através do leite da mãe imunizada.

Desenvolvido pelo Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e pelo Instituto da Criança e do Adolescente, um estudo ainda não publicado observou que as mães vacinadas contra a COVID-19 produzem anticorpos que podem ser transmitidos aos recém-nascidos pelo leite materno.

Estudo da USP sobre o leite materno

No estudo, as mães foram imunizadas com a vacina CoronaVac, envasada no Brasil pelo Instituto Butantan. Segundo os autores da pesquisa, foi possível identificar a presença de anticorpos contra o coronavírus SARS-CoV-2 no leite de colaboradoras lactantes do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Leite materno pode carregar anticorpos contra a COVID-19 da mãe (Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)
Leite materno pode carregar anticorpos contra a COVID-19 da mãe (Imagem: LightFieldStudios/Envato Elements)

Além disso, foi possível observar que a segunda dose da vacina desencadeou um aumento significativo no nível de anticorpos no leite materno das gestantes. Em algumas mulheres, os altos níveis de anticorpos contra a COVID-19 se mantiveram no leite mesmo depois de alguns meses de amamentação.

“O leite materno é importante justamente porque carrega um grande repertório de anticorpos, acumulados ao longo da vida da gestante”, comenta Magda Carneiro Sampaio, professora do Departamento de Pediatria da FMUSP e vice-presidente do Conselho Diretor do Instituto da Criança do HC.

“O que o estudo mostra é que essa vacina [CoronaVac] também se incorpora ao repertório materno e a mãe vai passando esse anticorpo várias vezes ao dia ao bebê. Esse anticorpo [advindo do leite] é muito interessante, porque tem uma ação fundamentalmente local, quase nada dele é absorvido. Sua ação é em todo o trato gastrointestinal do bebê”, comenta Sampaio.

Fora do Brasil, estudos semelhantes já foram feitos em Israel, nos Estados Unidos e na Espanha, mostrando que as vacinas Pfizer/BioNTech, Moderna e Covishield (Oxford/Astrazeneca/Fiocruz) também induzem anticorpos contra o coronavírus no leite materno.

Anticorpos protegem os bebês do coronavírus?

O novo estudo mostrou que anticorpos contra o coronavírus podem ser transmitidos de mãe para filho, através do leite. No entanto, ainda não há evidências suficientes para confirmar que estes anticorpos possam realmente proteger os bebês, segundo explica a pediatra Flávia Bravo, presidente da Comissão de Informação e Orientação da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

“A proteção do bebê reside principalmente na proteção da própria lactante que não vai transmitir a COVID-19 para seus bebês. Não existem evidências demonstrando que anticorpos passados pelo leite materno possam realmente proteger os lactentes [bebês ou crianças que mamam no peito], então isso é uma evidência que nos falta”, completa Bravo.

Vacinação contra a COVID-19

Grávidas e mães vacinadas contra a COVID-19 podem transmitir anticorpos para os bebês (Imagem: Reprodução/Djoronimo/Envato)
Grávidas e mães vacinadas contra a COVID-19 podem transmitir anticorpos para os bebês (Imagem: Reprodução/Djoronimo/Envato)

Vale lembrar que, desde março deste ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda a vacinação de grávidas e lactantes contra a COVID-19. “A SBP é enfática em recomendar a vacinação de mulheres que, na sua oportunidade de vacinação, estiverem amamentando, independentemente da idade de seu filho, sem necessidade de interrupção do aleitamento materno, ressaltando todos os benefícios de ambas as ações (imunização e amamentação)”, afirmou a entidade, em nota.

A restrição para a imunização contra o coronavírus é o uso das vacinas de vetor viral, como a Oxford/ AstraZeneca e a da Janssen. Dessa forma, a indicação brasileira é do uso exclusivo da CoronaVac ou da fórmula da Pfizer/BioNTech. Após a vacinação completa, as mães ainda devem manter o uso de máscaras, o distanciamento social, evitar aglomerações e sempre lavar as mãos com sabão e usar o álcool em gel.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos