Mercado abrirá em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,82
    +0,55 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.870,30
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    45.234,09
    +70,18 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.258,05
    +60,13 (+5,02%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.073,42
    +40,57 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    28.564,51
    +370,42 (+1,31%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.420,00
    +116,50 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Afetada pela pandemia, economia mundial vive recuperação lenta e mal-estar

Mehdi CHERIFIA
·3 minuto de leitura

Mais bilionários e mais pobres. China e Estados Unidos ascendem, Europa caminha a passos lentos, países pobres sofrem, setor financeiro segue em alta, companhias aéreas sem turistas... Um panorama dos vencedores e perdedores da pandemia na esfera econômica.

- A crise, uma lembrança distante? -

2020 ficará marcado como um ano economicamente sombrio para muitos países, com grandes colapsos.

A China já havia alcançado um crescimento positivo em 2020 (+ 2,3%), uma exceção. O bom momento continuou no primeiro trimestre de 2021, quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 18,3%, nível recorde.

A China espera um crescimento de pelo menos 6% para todo o ano e o Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que chegará a 8,4%.

Os Estados Unidos ainda não divulgaram o PIB do primeiro trimestre, já em contração de 3,5% em 2020, o pior resultado desde 1945.

No entanto, as taxas de desemprego são as mais baixas desde o início da crise em abril, as vendas no varejo estão mais fortes do que o esperado em março, a atividade industrial em Nova York atinge em abril seu auge em vários anos.

O novo governo de Joe Biden aprovou um grande plano de recuperação e vacinou incessantemente contra a covid. O crescimento pode chegar a 6,4% neste ano, segundo o FMI.

No nível empresarial, alguns setores se recuperaram ainda mais. Para os gigantes da tecnologia, a pandemia foi sinônimo de atividade frenética e lucros gigantescos.

Os bancos americanos mostram lucros claramente crescentes no primeiro trimestre.

As quantias de dinheiro disponibilizado para superar a crise levaram muitas vezes os mercados de ações a níveis nunca vistos por mais de 20 anos.

O Bitcoin atingiu 65 mil dólares e a bolsa de criptomoedas Coinbase esta semana conquistou uma entrada espetacular no mercado de ações, comparável à do Facebook em 2012.

O número de entradas na bolsa de valores aumentou no início de 2021 em todo o mundo, para 430, um nível sem precedentes em duas décadas.

- Quando virão dias melhores? -

Pressionados por novas restrições e mais lentos em suas campanhas de vacinação, vários Estados europeus viram suas economias declinar no início de 2021.

Na França, a perda de atividade em relação a antes da crise da saúde foi de 4% em março e será de 7% em abril, considerou o banco central na segunda-feira, sem questionar sua previsão de um crescimento anual de 5,5%.

Itália (+ 4,5%) e Espanha (+ 6,5%) revisaram para baixo suas projeções de crescimento e a Alemanha mostra-se cautelosa (+ 3%). Na zona do euro, o crescimento seria de 4,4% neste ano.

De acordo com o FMI, os países em desenvolvimento e de baixa renda tendem a sofrer ainda mais, sem recursos e com vacinação limitada.

O horizonte também é sombrio para as companhias aéreas, afetadas pela falta de turistas.

- Os efeitos da crise a longo prazo -

A crise ainda não produziu todos seus efeitos.

A FAO alerta que a pandemia reduziu o acesso ao mercado de trabalho e às terras agrícolas, causando perda de produção em algumas regiões.

O efeito final sobre o emprego ainda é desconhecido nos países onde os Estados mantiveram setores totalmente paralisados.

Grandes empresas como H&M, Danone, Nokia, Jaguar, Heineken, Siemens Energy, Commerzbank, Sanofi, Fedex e Michelin anunciaram milhares de cortes de empregos no início deste ano.

A pobreza está explodindo nos países mais carentes.

Por outro lado, o ranking anual da revista Forbes incluiu 660 novos bilionários pelo mundo, atingindo um total de 2.755, um nível recorde.

mch/aue/eb/eg/jz/jc/ic