Mercado abrirá em 8 h 12 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,51
    +0,24 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.867,80
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    45.473,41
    +2.250,68 (+5,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.262,56
    +64,65 (+5,40%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.545,20
    +351,11 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.403,71
    +578,88 (+2,08%)
     
  • NASDAQ

    13.348,00
    +44,50 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4153
    +0,0054 (+0,08%)
     

217 países adotam restrições contra entrada de brasileiros; Apenas 8 têm 'caminho livre'

·5 minuto de leitura
Avião voando
De acordo com levantamento do Skyscanner, 114 países têm fortes restrições à entrada de brasileiros
  • Com média de mortos acima de 3 mil por dia, Brasil tem visto países aumentarem restrições à entrada de seus moradores

  • Recentemente, a França anunciou que todos os voos entre os dois países estão suspensos sem data para retomada

  • Ao todo, 217 países têm restrições à entrada de pessoas vindas do Brasil

Com a situação da pandemia se agravando cada vez mais no Brasil — a média móvel atual é de 3 mil mortes por dia — cada vez mais países aumentam as restrições à entrada de brasileiros. 

O mais recente a aumentar restrições foi a França, que anunciou na terça (13) que suspenderá todos os voos entre os dois países sem data para retomada.

Leia também

"Percebemos que a situação está piorando e decidimos suspender todos os voos até novo aviso", afirmou o primeiro-ministro francês, Jean Castex. 

Apenas oito países possuem restrições leves ou nenhuma restrição à entrada de brasileiros no momento: México, Afeganistão, República Centro Africana, Albânia, Costa Rica, Nauru e Tonga. 

Outros 217 países têm restrições à entrada de pessoas vindas do Brasil, segundo um levantamento do site de viagens Skyscanner. Destes, 114 países têm fortes restrições — incluindo os destinos mais procurados por brasileiros em 2019, como Estados Unidos, Argentina, Chile, França, Reino Unido e Itália. 

Entenda as restrições e autorizações. 

Para onde o brasileiro pode viajar na pandemia? 

Afeganistão, República Centro Africana, Albânia, Costa Rica, Nauru e Tonga não exigem quarentena para a chegada de pessoas que vieram do Brasil, mas exames médicos ou outras pequenas exigências podem ser necessárias. 

A Costa Rica, por exemplo, exige que quem chega do Brasil e não é cidadão da Costa Rica tenha um seguro viagem com cobertura de custos para tratamento e acomodação em caso de contaminação com coronavírus

O México no momento não exige exames ou quarentena - mas isso pode mudar, já que o país tem tido um aumento vertiginoso de casos e é atualmente o terceiro com mais mortes por covid, atrás apenas dos EUA e do Brasil. 

Jean Castex de perfil e de máscara
'Percebemos que a situação está piorando e decidimos suspender todos os voos até novo aviso' afirmou o primeiro-ministro francês, Jean Castex, sobre restrições a viagens do Brasil

Na República Centro Africana, segundo informações do governo, passageiros podem estar sujeitos a exames médicos na chegada. 

Para entrar em Nauru, é preciso que os brasileiros tenham um teste negativo de covid-19 e tenham passado os últimos 14 dias na Austrália. Isso só é possível, no entanto, para quem já estava no país, porque a Austrália é um dos países cujas fronteiras estão fechadas. 

O Afeganistão, a Albânia, a Macedônia do Norte e o Reino de Tonga não possuem restrições. 

Restrições moderadas

Alguns países possuem restrições mais moderadas à entrada de passageiros vindos do Brasil, como exigência de resultados negativos em exames de covid-19. É o caso das ilhas Maldivas, da África do Sul, de Montenegro e do Egito. 

Já a Tailândia exige visto e quarentena. Cuba permite a entrada, mas os passageiros podem estar sujeitos a exigência de exame na chegada e ao pagamento de uma taxa sanitária. 

Para onde o brasileiro não pode viajar na pandemia? 

Três passageiros e um segurança do lado de fora de aeroporto
Aeroporto em Buenos Aires; Argentina, um dos lugares mais visitados por brasileiros em 2019, é um dos países adotando regras rígidas para a entrada de brasileiros

Brasileiros ou pessoas vindas do Brasil enfrentam restrições fortes ou moderadas para viajar para a maioria dos países do mundo, incluindo para os nossos vizinhos na América do Sul. 

Os voos diretos do Brasil estão suspensos para a Colômbia, a Venezuela, o Peru, o Suriname e a Argentina. Chile e Uruguai não suspenderam voos do Brasil, mas apenas cidadãos locais ou seus parentes próximos podem entrar. 

Já Bolívia, Paraguai e Equador não proibiram a entrada, mas exigem restrições moderadas, como exames negativos de coronavírus e quarentena na chegada. 

Nos Estados Unidos, a entrada de pessoas que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias em geral não é permitida. 

Mas há exceções, como cidadãos americanos, residentes permanentes do país, pais de americanos menores de 21 anos, cônjuges de americanos, passageiros com vistos especiais e pessoas a convite do governo dos EUA. Nesses casos, são exigidos resultados negativos para exames de covid-19. 

No Reino Unido, as regras são parecidas. Pessoas que vieram ou estiveram no Brasil nos últimos 10 dias não têm a entrada permitida, a não ser que sejam cidadãos britânicos, irlandeses ou tenham residência permanente no Reino Unido. Nesses casos, é necessária uma quarentena de 10 dias e exames negativos para coronavírus 

Para todos os 27 países da União Europeia — incluindo destinos favoritos de brasileiros como Portugal, Espanha, França, Itália e Alemanha — a entrada de brasileiros não é permitida. 

Exceções são feitas para brasileiros que tenham dupla nacionalidade europeia ou que sejam residentes legais nesses países. 

Passageiros em trânsito e aqueles que estão viajando com finalidade de estudar também têm a entrada liberada. 

O mesmo se aplica a "profissionais de saúde e de atendimento a idosos e pesquisadores de saúde". Também estão isentos de veto "passageiros que viajem por motivos familiares imperativos" e "trabalhadores altamente qualificados de países terceiros, se o seu trabalho for necessário do ponto de vista econômico e não puder ser adiado nem executado no estrangeiro".

Países como Japão, Austrália e Índia também não autorizam a entrada de brasileiros ou pessoas vindas do Brasil, a não ser que sejam cidadãos nacionais ou residentes permanentes. Nesses casos são exigidos vistos e quarentena. 

Na China, mesmo estrangeiros com vistos permanentes podem ter a entrada barrada. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!