Mercado fechará em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    112.288,45
    +398,57 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.283,99
    +140,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,91
    +0,82 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.856,30
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    28.405,85
    -1.170,53 (-3,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    616,33
    -13,17 (-2,09%)
     
  • S&P500

    4.131,40
    +73,56 (+1,81%)
     
  • DOW JONES

    32.995,17
    +357,98 (+1,10%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.585,75
    +306,50 (+2,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0834
    -0,0346 (-0,68%)
     

AES Brasil cresce em vendas de energia a clientes de pequeno porte

Logo da AES fotografado em Santiago, Chile

SÃO PAULO (Reuters) - A AES Brasil tem visto boa evolução de sua divisão de negócios voltada à venda de energia para consumidores de pequeno porte, enquadrados no chamado "varejo" do setor elétrico.

"É uma aposta para o futuro que tem se apresentado cada vez mais próxima, (a comercialização varejista) é o principal canal que vai viabilizar a abertura do mercado livre", disse Rogério Pereira Jorge, vice-presidente comercial da AES Brasil, em teleconferência para comentar os resultados do primeiro trimestre.

A AES iniciou sua operação no segmento varejista em 2019 e, em abril deste ano, alcançou uma carteira de 45 clientes e venda acumulada de 38 megawatts (MW) médios de energia, segundo dados da companhia.

Em paralelo, a AES prossegue com a construção e desenvolvimento de seus projetos de geração de energia renovável, contando com um "pipeline" total de 3 GW, sendo 1,3 GW em projetos preparados para venda da energia a clientes, disse a CEO, Clarissa Sadock.

Ainda de acordo com ela, a AES continua analisando oportunidades de aquisições, sobretudo de ativos em que possa "fazer diferença" em termos operacionais e financeiros.

Sobre uma eventual renovação de suas concessões hidrelétricas, o diretor financeiro da AES Brasil, Alessandro Gregori, disse que a companhia teria direito a mais de 3 bilhões de reais em indenizações.

(Por Letícia Fucuchima)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos