Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.547,67
    +1.441,82 (+3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0485 (-0,75%)
     

AES Brasil assina memorando com Ferbasa para fornecimento de energia por 20 anos

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica AES Brasil, antiga AES Tietê, assinou nesta terça-feira um memorando de entendimento com a Ferbasa para o fornecimento de 80 megawatts médios pelo prazo de 20 anos, com entrega de energia a partir de 2024, informou a empresa em fato relevante.

O acordo prevê o desenvolvimento de um parque eólico no complexo Cajuína, no Rio Grande do Norte, onde a AES Brasil cria seu "cluster" eólico, disse a companhia, acrescentando que o projeto tem início de construção esperado para este ano.

O projeto possui, segundo a elétrica, 165 megawatts de capacidade instalada, equivalentes a 92 megawatts médios de energia assegurada a P50.

"Esse passo reforça a estratégia de crescimento e diversificação de portfólio da companhia por meio de desenvolvimento de projetos de fontes complementares à hídrica e com contratos de longo prazo", disse a AES Brasil, controlada pela norte-americana AES Corp, no comunicado.

Com a assinatura do memorando, as partes iniciam a negociação do contrato de compra e venda de energia elétrica.

Em comunicado à parte, a Ferbasa, grande produtora de ferroligas, afirmou que a aquisição do volume junto à AES Brasil "não representa aumento de capacidade produtiva, mas estratégia de redução no custo da energia em seu portfólio de contratos".

(Por Gabriel Araujo; edição de Nayara Figueiredo)