Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.578,60
    +784,27 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

AES Brasil anuncia aquisição de parques eólicos da Cúbico por R$806 mi

·2 minuto de leitura
Turbina eólica em uma usina de geração de energia em Fortaleza, no Ceará.

SÃO PAULO (Reuters) - A AES Brasil, da norte-americana AES, informou a aquisição de dois complexos eólicos no Nordeste junto à Cúbico Brasil por um valor total de 806 milhões de reais, incluindo dívidas.

O negócio, anunciado pela empresa em comunicado no domingo, envolve parques eólicos no Ceará e no Rio Grande do Norte que somam uma capacidade instalada de 158,5 megawatts.

A transação, às vésperas do final do ano, soma-se a outra aquisição recente da companhia e segue estratégia do grupo AES de focar sua expansão no maior país da América Latina em ativos de geração renovável, principalmente usinas eólicas.

A AES Brasil informou que o valor acordado pela compra inclui 529 milhões de reais em "equity" e 277 milhões de reais em assunção de dívidas dos empreendimentos e acrescentou que a operação será financiada, em sua totalidade, por meio da capacidade de endividamento adicional do projeto e da empresa.

"Com a conclusão da operação, a AES Brasil passará a contar com uma capacidade instalada de 4 gigawatts (GW) do seu portfólio 100% renovável. Este projeto está alinhado à nossa estratégia de crescimento e diversificação e à potencial criação de um cluster eólico na região do Nordeste do país", afirmou a companhia no comunicado.

A AES Brasil, que recentemente passou a adotar esse nome em substituição a AES Tietê, disse ainda que a aquisição se encaixa em sua estratégia de diversificação que mira expansão em ativos de fontes renováveis complementares à hidrelétrica e com contratos de longo prazo.

Os empreendimentos negociados junto à Cúbico estão em operação desde 2013. A produção foi negociada em contratos no mercado regulado de energia, fechados em leilões promovidos pelo governo em 2009 e 2011.

A AES afirmou que, sendo concluída a operação, convocará uma assembleia extraordinária de acionistas para ratificá-la, sendo que eventuais condições de direito de retirada por acionistas dissidentes serão informadas oportunamente se aplicáveis.

O negócio com a Cúbico é o primeiro anunciado pela AES Tietê depois de uma recente troca no comando da companhia, em dezembro, quando Clarissa Sadock foi nomeada nova diretora-presidente da empresa.

Antes, em agosto, a AES Brasil havia selado a compra de parques eólicos da J. Malucelli no Rio Grande do Norte por 650 milhões de reais.

A controladora da companhia, AES, também ampliou neste ano a participação na subsidiária brasileira, depois de fechar acordo em junho para comprar parte das ações do BNDES na empresa.

(Por Luciano Costa; edição Paula Arend Laier)