Mercado fechará em 32 mins
  • BOVESPA

    121.691,53
    +985,62 (+0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.207,50
    +378,19 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,37
    +1,55 (+2,43%)
     
  • OURO

    1.843,30
    +19,30 (+1,06%)
     
  • BTC-USD

    50.298,83
    +1.564,63 (+3,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.405,75
    +47,19 (+3,47%)
     
  • S&P500

    4.177,46
    +64,96 (+1,58%)
     
  • DOW JONES

    34.416,21
    +394,76 (+1,16%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.406,50
    +306,25 (+2,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4001
    -0,0124 (-0,19%)
     

Aeroporto de Manaus é retirado de leilão após decisão da Justiça

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma decisão do presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro Humberto Martins, retirou o Aeroporto Internacional de Manaus do leilão de concessões realizado no último dia 7 pelo Ministério da Infraestrutura. Nesta terça-feira (20), o ministro voltou atrás de uma decisão anterior e restabeleceu parte de uma liminar do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), que havia retirado o aeroporto da capital do Amazonas do leilão feito pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). A concessão da Anac era para uso da área para exploração comercial e operação da atividade de armazenagem e movimentação de cargas no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Só que o aeroporto de Manaus se encontra em uma situação peculiar: já havia um contrato assinado em 2018, entre a Infraero e o consórcio SB Porto Seco, para exploração comercial e operação no terminal pelo prazo de dez anos. Em 2019, a licitação foi suspensa pelo TCU (Tribunal de Contas da União). A partir disso, o caso passou por uma série de contestações na Justiça, que ora confirmavam e ora suspendiam a decisão do tribunal. Em paralelo, a Infraero incluiu Manaus no programa nacional de desestatização. No início de abril, o TRF-1 deferiu o pedido do consórcio SB Porto Seco para excluir o aeroporto de Manaus das concessões. A União, por sua vez, alegou que a interferência em um leilão internacional poderia causar "dano irreparável à imagem do Brasil e significativa perda de receita". Já o consórcio argumentou que a retirada do aeroporto do leilão ajudaria a manter a credibilidade do poder público perante os investidores, pois havia uma licitação "definitivamente encerrada, aperfeiçoada e acabada". Mesmo com a decisão do STJ, foram mantidos no bloco Norte do leilão os terminais de Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR). Junto com Manaus, o bloco havia sido arrematado por R$ 420 milhões, pela Vinci Airports. Procurada pela Folha, a Anac disse que ainda não havia sido comunicada oficialmente da decisão referente à alteração do leilão.