Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,33
    -0,19 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.733,80
    +3,30 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.289,65
    +708,68 (+3,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,91
    +15,47 (+3,47%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.615,75
    -25,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1561
    -0,0118 (-0,23%)
     

Aeroporto londrino de Heathrow perde posição de maior da Europa por pandemia

·1 min de leitura
Com a pandemia, o aeroporto londrino de Heathrow não é mais o maior em número de passageiros da Europa

O aeroporto de Heathrow, em Londres, pertencente a um consórcio liderado pela gigante espanhola de infraestrutura Ferrovial, anunciou nesta quarta-feira que não é mais o maior da Europa em número de passageiros devido a restrições de viagem devido ao coronavírus. 

"Pela primeira vez, o Paris Charles de Gaulle ultrapassou Heathrow como o maior aeroporto da Europa, seguido de perto por Amsterdam Schiphol e Frankfurt", disse o grupo do aeroporto em comunicado à bolsa de valores.

Heathrow relatou ter perdido vantagem comercial ao ser penalizado pelas quarentenas impostas pelo governo britânico a passageiros de diversos países e pela implantação em outros aeroportos do continente de testes covid-19 que não são aplicados no Reino Unido. 

"Todos os três rivais continentais implementaram sistemas de teste. O governo britânico anunciou sua intenção de introduzir testes para passageiros de países de alto risco até 1º de dezembro para ajudar a relançar a economia do Reino Unido", afirmou. 

Heathrow também reduziu suas previsões de demanda para este ano e no próximo devido à segunda onda do covid-19 e às restrições em curso. 

Agora espera transportar 22,6 milhões de passageiros em 2020 e 37,1 milhões em 2021, acima das previsões anteriores de 29,2 milhões e 62,8 milhões, respectivamente. 

"A redução se deve à segunda onda de aversão e lentidão na introdução de testes pelo governo britânico para reabrir as fronteiras", acrescentou.

acc/zm/cc