Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.334,67
    +1.490,93 (+1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.821,69
    +264,04 (+0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.775,40
    +11,60 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    41.926,78
    -1.887,50 (-4,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.041,81
    -22,03 (-2,07%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.008,50
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1978
    -0,0469 (-0,75%)
     

Adversário de Italo na semifinal voltou a surfar após sofrer lesão cerebral

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SAQUAREMA, RJ: O surfista australiano Owen Wright durante torneio em Saquarema, no Rio de Janeiro. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SAQUAREMA, RJ: O surfista australiano Owen Wright durante torneio em Saquarema, no Rio de Janeiro. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

MACEIÓ, AL (FOLHAPRESS) - Owen Wright pega a prancha, entra na água e rema até uma onda. Ele dropa, pontua e comemora. Mas volta e refaz o movimento. Para um surfista, nada disso soa repetitivo. Para o australiano, é como reconectar pontos do cérebro que um dia foram perdidos no dia em que sofreu uma lesão traumática após ser atingido por uma onda.

Adversário de Italo Ferreira na semifinal do surfe masculino nas Olimpíadas de Tóquio-2020, nesta terça-feira (27), Owen precisou reaprender a andar. Em 2015, enquanto treinava, a lesão o afastou de si mesmo. Sequer conseguia andar direito dentro de casa. Queria surfar a todo custo, mas os amigos tiveram de esconder as pranchas. Não conseguia e não entendia aquela lesão – como poderia incapacitá-lo se não tinha marcas, cortes?

Até mesmo voltar a surfar foi uma luta particular. Não conseguia ficar de pé na prancha e a primeira competição só veio 15 meses depois, em 2017. Voltou como campeão, mas nunca na forma física que tinha antes da onda que quebrou em cima dele.

As duas provas que lhe restam nas Olimpíadas de Tóquio podem, enfim, ser mais uma reconexão, esse movimento que se repete toda vez em que pega a prancha, entra na água e rema.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos