Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,38
    -1,29 (-2,06%)
     
  • OURO

    1.787,00
    +8,60 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    55.573,32
    -246,37 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.277,38
    +14,42 (+1,14%)
     
  • S&P500

    4.139,06
    +4,12 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    33.917,02
    +95,72 (+0,28%)
     
  • FTSE

    6.870,55
    +10,68 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.734,75
    -59,50 (-0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6733
    -0,0292 (-0,44%)
     

Adolescente que hackeou o Twitter em 2020 é condenado a três anos de prisão

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

Você se lembra de Graham Ivan Clark, o jovem que entrou para a história após invadir os sistemas do Twitter, sequestrar contas de personalidades e disseminar um golpe de criptomoedas em 2020? Pois bem: a pouca idade do estadunidense, que foi preso na Flórida poucos meses após o crime, não lhe impediu de receber uma dura sentença das autoridades locais. Ele ficará preso durante três anos — deveriam ser dez, mas Clark conseguiu firmar um acordo judicial para diluir a pena em termos mais leves.

Acontece que, levando em conta que ele tinha 17 anos ao praticar a invasão, ele foi enquadrado como um “jovem infrator”, não podendo ser aprisionado durante uma década. Após passar um tempo atrás das grades, o hacker-mirim cumprirá parte da sentença em um “campo militar”, e, posteriormente, ficará em observação constante durante mais três anos. Só após esse período ele poderá ser livre novamente; qualquer contravenção nesse período resultará na aplicação da pena de dez anos.

<em>Clark, durante a audiência remota que lhe sentenciou (Imagem: Reprodução/Hillsborough State Attorney's Office)</em>
Clark, durante a audiência remota que lhe sentenciou (Imagem: Reprodução/Hillsborough State Attorney's Office)

Pensa que acabou? Que nada. Clark jamais poderá usar computadores sem supervisão e será obrigado a ceder as credenciais de todas as suas contas sociais — ou seja, o cidadão possivelmente continuará a ser monitorado pelo resto de sua vida. Claro, os mais de US$ 100 mil em criptomoedas arrecadados durante o crime foram apreendidos pela polícia, por mais que seja impossível devolver a quantia aos seus respectivos donos por conta da complexidade do sistema blockchain.

“Graham Clark precisa ser responsabilizado por esse crime, e outros golpistas em potencial precisam enxergar as consequências. Neste caso, fomos capazes de entregar essas consequências ao reconhecer que nosso objetivo com qualquer criança, sempre que possível, é fazer com que elas aprendam a lição sem destruir seu futuro”, explicou o procurador do estado de Hillsborough, Andrew Warren. É como diz o velho ditado: no fim das contas, o crime nunca compensa — mesmo se ele for digital.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: