Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.686,49
    +2,94 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.854,60
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    33.876,62
    +429,38 (+1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,73
    +5,83 (+0,86%)
     
  • S&P500

    3.837,85
    -3,62 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    30.832,72
    -164,26 (-0,53%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.373,75
    +12,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6362
    -0,0158 (-0,24%)
     

Adido do USDA mantém previsão de safra do Brasil e reduz a da Argentina

·1 minuto de leitura

(Reuters) - A safra de soja do Brasil 2020/21 foi estimada em recorde de 131,5 milhões de toneladas, estável ante projeção anterior apesar de preocupações climáticas, apontou o adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) no país em relatório recente.

O representante do USDA ainda manteve a projeção de área plantada em 38,5 milhões de hectares.

Ambos estão abaixo do dado oficial do USDA, de 133 milhões de toneladas e 38,6 milhões de hectares.

"A semeadura desta temporada foi atrasada em até seis semanas em algumas áreas do país devido ao clima mais seco do que o normal. Embora essas preocupações com o clima sinalizem problemas potenciais para a safra 2020/21, é muito cedo para reavaliar a previsão de rendimento", disse o adido.

Ele manteve sua projeção de exportação de soja do Brasil (maior produtor e exportador global) em 85 milhões de toneladas na temporada, assim como o esmagamento em 45,5 milhões de toneladas.

Já a previsão da safra de soja da Argentina foi reduzida em 1 milhão de toneladas, para 50 milhões de toneladas, devido ao tempo seco, e agora a projeção está em linha com a estimativa oficial do USDA.

Veja os relatórios completos em inglês:

https://bit.ly/3hQTAAS

https://bit.ly/35hxjak

(Por Roberto Samora)