Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,49
    +0,59 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.835,00
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    58.279,55
    -339,75 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.739,75
    +30,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3701
    +0,0050 (+0,08%)
     

Adiadas no Canadá audiências finais sobre extradição de executiva da Huawei

·1 minuto de leitura
(15 mar) A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, chega ao tribunal em Vancouver

Um juiz de Vancouver deferiu nesta quarta-feira (21) um pedido dos advogados da executiva da Huawei Meng Wanzhou para adiar até agosto as audiências finais do seu julgamento de extradição para os Estados Unidos.

As audiências, que deviam ser retomadas na próxima segunda-feira e durar três semanas, foram adiadas até o começo de agosto, anunciou o magistrado.

Os advogados de Meng Wanzhou, a diretora financeira da gigante chinesa de telecomunicações Huawei, a quem os Estados Unidos querem julgar por fraude bancária, solicitaram o adiamento na segunda-feira passada após uma sentença judicial que autorizou o banco HSBC a enviar-lhes novos documentos.

Os defensores disseram precisar do adiamento a fim de analisar estes documentos que acreditam que poderia inocentar sua cliente.

Meng foi detida em 1º de dezembro de 2018 no aeroporto de Vancouver a pedido dos Estados Unidos.

A justiça americana a acusa de ter contornado as sanções contra o Irã, mentindo ao banco HSBC sobre os vínculos entre a Huawei e uma subsidiária que fazia negócios naquele país.

Os advogados de Meng tentam há meses demonstrar que os direitos de sua cliente foram violados durante sua prisão, com a esperança de invalidar o processo de extradição aos Estados Unidos.

str-et/jl/vgr/yow/lda/mvv