Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.808,00
    +279,03 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,36
    -1,31 (-2,09%)
     
  • OURO

    1.792,20
    +13,80 (+0,78%)
     
  • BTC-USD

    55.737,39
    +104,58 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.287,52
    +24,56 (+1,94%)
     
  • S&P500

    4.161,66
    +26,72 (+0,65%)
     
  • DOW JONES

    34.058,23
    +236,93 (+0,70%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.856,50
    +62,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Adesão do Brasil a acordo de compras governamentais avança na OMC

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
·1 minuto de leitura

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - A adesão do Brasil ao Acordo de Compras Governamentais (GPA) da Organização Mundial do Comércio avançou nesta semana, na primeira reunião após a apresentação da oferta inicial brasileira. Se for aceito, o país ganhará acesso em condições favoráveis a um mercado de compras governamentais estimado atualmente em US$ 1,7 trilhão (US$ 9,7 trilhão) por ano. O GPA dá aos países participantes acesso recíproco em compras governamentais nos membros do acordo (48, atualmente), dentro dos limites estabelecidos em comum acordo. O pedido de adesão foi feito pelo Brasil em maio do ano passado e a oferta inicial foi apresentada em fevereiro. Segundo o embaixador brasileiro na organização, Alexandre Parola, ela pode equivaler a um mercado de US$ 145 bilhões (cerca de R$ 826 bi, pelo câmbio atual). Segundo a OMC, o comitê de compras governamentais avaliou os documentos apresentados pelo Brasil como "uma base sólida" para o início das negociações. Além da oferta inicial de mercado, o país enviou respostas a uma lista de questões sobre a legislação brasileira de compras governamentais. Na próxima etapa, o Brasil negociará com os 48 membros do GPA compromissos com relação a entidades cujos processos de aquisição serão abertos a estrangeiros, bens e serviços que participarão do acordo, valores-limite acima dos quais as compras estarão abertas e eventuais exceções. Embora grandes licitações de obras públicas sejam incertas no momento, por causa da pandemia de Covid-19 e de incertezas sobre a economia, o governo brasileiro vinha preparando medidas desde o ano passado para atrair a participação estrangeira para o setor de infraestrutura -como em rodovias, ferrovias e aeroportos.