Mercado fechará em 1 h 33 min
  • BOVESPA

    112.725,61
    +1.436,43 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.226,31
    +189,26 (+0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,98
    -0,37 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.793,30
    -36,40 (-1,99%)
     
  • BTC-USD

    36.344,88
    -1.894,33 (-4,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    831,32
    +11,81 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.369,80
    +19,87 (+0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.426,23
    +258,14 (+0,76%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.807,00
    -482,90 (-1,99%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    14.182,25
    +23,75 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0364
    -0,0700 (-1,15%)
     

Acusado de charlatanismo, guru da cloroquina recebe 'reprimenda' da Ordem de Médicos na França

·2 min de leitura

PARIS - Responsável por lançar a cloroquina como uma suposta cura milagrosa para a Covid-19, o médico e microbiologista francês Didier Raoult recebeu nesta sexta-feira uma "reprimenda" da Ordem dos Médicos de Nova Aquitânia, na França, por ter violado o código de ética ao promover a substância comprovadamente ineficaz contra o coronavírus.

As acusações, entre elas a de "charlatanismo", foram apreciadas pela Câmara Disciplinar da entidade, composta por oito médicos e presidida por um magistrado administrativo. A decisão foi proferida hoje. A sanção podia variar de um simples aviso à proibição de praticar a medicina.

Raoult, de 59 anos, é alvo de duas denúncias atreladas a entidades médicas francesas. Ele é acusado de ter promovido a hidroxicloroquina para tratar Covid-19, "sem dados científicos comprovados", o que é semelhante a "charlatanismo", conforme afirmou o relator da câmara disciplinar durante audiência no início do mês.

O médico também foi acusado de ter assumido "riscos imprudentes" ao tratar pacientes com método "não comprovado pela ciência", segundo o jornal francês Le Monde. A defesa de Raoult tinha pedido o indeferimento do procedimento, para que o órgão declarasse como "inadmissíveis" as reclamações, mas não foi atendido.

O microbiologista ganhou notoriedade durante a pandemia, depois que propôs a que a hidroxicloroquina, um remédio para malária, seria eficaz contra o coronavírus. Ele ganhou apoiadores notáveis na política, como o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. Seu nome também foi citado por senadores durante a CPI da Covid no Brasil.

Em janeiro deste ano, o microbiologista admitiu pela primeira vez que a cloroquina não reduzia a mortalidade ou agravamento da Covid-19. O pesquisador fez a afirmação em uma carta publicada no site do Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia, da França.

Cientistas de todo o mundo e a Organização Mundial da Saúde (OMS) criticaram a pesquisa desenvolvida por Raoult, dizendo que os estudos foram conduzidos fora dos protocolos científicos padrão. Um ensaio clínico realizado pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, chegou à conclusão de que a hidroxicloroquina "não tem nenhum efeito benéfico" no tratamento da Covid-19.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos