Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    122.053,95
    +144,92 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.391,65
    -475,50 (-0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,45
    +0,53 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.835,30
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    56.391,12
    -1.053,48 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.507,47
    +1.264,79 (+521,18%)
     
  • S&P500

    4.156,54
    -31,89 (-0,76%)
     
  • DOW JONES

    34.295,98
    -446,84 (-1,29%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.357,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3538
    +0,0136 (+0,21%)
     

Acordo sobre Orçamento prevê corte de R$ 10,5 bi em emendas, diz ministra

EDUARDO CUCOLO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Orçamento de 2021 será sancionado com um veto parcial de R$ 10,5 bilhões em cima das emendas do relator, segundo a ministra Flávia Arruda, da Secretaria de Governo da Presidência da República. Foram mantidas ainda R$ 16,5 bilhões para essas emendas. A ministra afirmou que o acordo fechado entre governo e Congresso sobre o Orçamento inclui o corte de despesas aprovadas pelo Legislativo e também a aprovação de um projeto de lei do Congresso Nacional que deixa de fora do teto de gastos algumas despesas. Entre elas, estão recursos para a saúde, a reedição do programa de redução de jornada e salários e as novas versões de dois programas de crédito: Pronampe (apoio a microempresas e empresas de pequeno porte) e Peac Maquininhas —modalidade de crédito garantido por vendas com máquinas de pagamento digital para microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas. A ministra chegou a falar em cerca de R$ 100 bilhões fora do teto, mas depois disse que não poderia confirma o número, que ainda está sendo discutido no Congresso. “Estamos caminhando para um veto parcial, mantendo algumas emendas de relator e também fazendo cortes nas despesas obrigatórias e discricionárias. Sem deixar de lado o que é importante, que é o enfrentamento da Covid e, dentro disso, a retomada de empregos, a retomada econômica e a assistência social”, afirmou nesta segunda-feira (19) durante evento promovido pela XP. Segundo a ministra, as novas despesas fora do teto e da meta fiscal vão se somar aos R$ 44 bilhões já aprovados para o auxílio emergencial de 2021. Ela disse que esse é o valor necessário estimado pelo governo até o momento e que não é possível afirma que não haverá outros gastos. “Estamos vivendo um momento de crise sanitária e humanitária. Tudo que for necessário para salvar vidas a gente não pode haesitar. A gente está vivendo um estado de guerra, mas também estamos com medidas já instaladas para que a gente tenha mais recursos para a saúde.” Sobre reformas econômicas, ela afirmou que a administrativa está mais avançada e poderia ser aprovada antes da tributária.