Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.634,52
    +1.080,15 (+3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Acordo da Opep+ muda foco de investidores para demanda global

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Opep+ conseguiu resolver uma disputa interna e agora planeja aumentar a oferta em 400 mil barris por dia mensalmente a partir de agosto até que toda a produção retirada do mercado seja reativada. O acordo foi impulsionado pelos Emirados Árabes Unidos, que buscavam melhores termos de produção.

Em entrevista à Bloomberg TV, Ed Morse, chefe global de pesquisa de commodities do Citigroup, disse que o mercado está muito apertado e que um aumento de oferta de 400 mil barris por dia terá pouco impacto. A demanda está significativamente mais alta, apesar do avanço da pandemia de Covid-19 em alguns países, e os preços do petróleo devem subir muito mais quando o verão no hemisfério norte terminar, disse.

Para Vandana Hari, fundadora da Vanda Insights em Singapura, o acordo prova que a Opep+ não está apenas intacta, mas também disposta a administrar a reposição da produção de forma gradual para evitar o risco de excesso de oferta. O não cumprimento das cotas deve continuar sendo um obstáculo para a aliança, especialmente quando os membros se cansarem das restrições à medida que os mercados exijam mais petróleo, acrescentou.

Impacto da delta

O Goldman Sachs disse que o acordo apoia sua visão construtiva sobre o petróleo, enquanto alerta que os preços podem oscilar no curto prazo em meio à preocupação com a variante delta, disseram analistas como Damien Courvalin em relatório. Na avaliação do Goldman, o aumento planejado da produção é moderado e o déficit deve se manter.

O foco agora se voltará para a demanda, já que as incertezas imediatas sobre a oferta desapareceram, disse Will Sungchil Yun, analista sênior de commodities da VI Investment, em Seul. O acordo foi fechado sob a suposição de que a pandemia estará sob controle até o ano que vem, mas a variante delta, de rápida propagação, pode continuar a impactar os mercados de petróleo por algum tempo, acrescentou.

O pacto provavelmente pressionará os preços no curto prazo, à medida que os investidores desfazem posições diante da perspectiva de maior oferta, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities no Australia & New Zealand Banking. Mas ele destaca que o mercado ainda está relativamente apertado e a onda de vendas deve durar pouco, acrescentou.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos