Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.964,61
    +170,28 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Acordo comercial da UE traz pouco progresso para setor financeiro britânico

Huw Jones
·1 minuto de leitura

Por Huw Jones

LONDRES (Reuters) - A União Europeia ainda não pode decidir conceder acesso para o Reino Unido ao mercado financeiro do bloco, apesar de Londres e Bruxelas terem chegado a um acordo comercial, disse um representante da Comissão Europeia na quinta-feira.

Embora o acordo comercial marcante fechado na quinta-feira estabeleça regras para setores como pesca e agricultura, ele não abrange o setor financeiro muito maior e influente do Reino Unido.

Havia esperanças de que o acordo comercial abriria o caminho para mais acesso do setor financeiro britânico à UE, mas o bloco indicou que não tem pressa em concedê-lo.

Bruxelas só autorizou acesso ao mercado financeiro, conhecido como "equivalência", para duas atividades financeiras a partir de 1º de janeiro, quando o Reino Unido terá deixado o mercado único da UE.

O Banco da Inglaterra afirmou que pode haver transtorno nos mercados se nenhum acesso adicional for permitido.

Poucos minutos depois que Reino Unido e UE saudaram seu acordo comercial, o Executivo do bloco disse que quer uma "série de esclarecimentos adicionais" sobre como o Reino Unido vai se afastar das regras da UE após 31 de dezembro.

"Por estas razões, a Comissão não pode finalizar a sua avaliação da equivalência do Reino Unido nas 28 áreas (em discussão) e, portanto, não tomará decisões neste momento. As avaliações vão continuar", afirmou.