Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.823,07
    +120,43 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Acordo com MG não impacta Vale e permite maior foco em produção, diz Fitch

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Acordo homologado nesta quinta-feira entre Vale e autoridades para reparações de danos causados pelo rompimento de barragem em Brumadinho (MG) deve permitir que a empresa aumente seu foco na melhoria da produção em 2021, disse a agência de classificação de risco Fitch, que manteve o rating da mineradora.

O acordo, que encerra ações judiciais coletivas relacionadas a danos socioeconômicos e socioambientais, prevê 37,69 bilhões de reais em projetos, dando celeridade às compensações pelo colapso da estrutura, que deixou cerca de 270 mortos.

Após o entendimento, a Vale informou que reconhecerá uma despesa adicional de 19,8 bilhões em seu resultado de 2020.

"Positivamente, o plano do acordo estabelece as diretrizes e a governança para execução do plano de reparação socioambiental da Vale. Isso deve permitir que a empresa aumente seu foco na melhoria da produção durante 2021", afirmou a agência.

Em dezembro, a mineradora projetou que a produção de minério de ferro fique entre 315 milhões e 335 milhões de toneladas em 2021.

A Fitch estima que a Vale gerou cerca de 22 bilhões de dólares de Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) durante 2020. Ao fim do terceiro trimestre, a Vale tinha 9 bilhões de dólares em caixa e 13 bilhões de dólares em dívida total, pontuou.

"A Vale está se beneficiando dos preços elevados do minério de ferro e do cobre devido aos níveis recordes de produção de aço na China, grandes quantidades de estímulos fiscais e monetários e interrupções no fornecimento", afirmou a Fitch, em nota.

A Fitch projetou que a Vale gerará cerca de 28 bilhões de dólares em Ebitda durante 2021, usando uma hipótese considerada por ela como "conservadora", de preço de minério de ferro a 115 dólares/tonelada.

"Isso resultaria em cerca de 15 bilhões de dólares de fluxo de caixa livre antes de dividendos e pagamentos de indenizações."

(Por Marta Nogueira)