Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.474,55
    -1.773,38 (-4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Acordar mais cedo reduz risco de depressão em 23%, segundo estudo

·1 minuto de leitura

Acordar mais cedo pode reduzir o risco de depressão em 23%. Pelo menos, é isso que aponta um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder, Harvard e MIT.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores examinaram os dados genéticos de mais de 800 mil indivíduos. Dentre eles, 85 mil usavam rastreadores de sono, e 250 mil preencheram pesquisas de preferência de sono, identificando-se como pessoas matinais.

Em média, a maioria das pessoas ia para a cama por volta das 23h e acordava por volta das 6h. Os pesquisadores então compararam essas informações com um conjunto de dados de informações genéticas que incluíam registros médicos, e concluíram que a preferência diurna anterior geneticamente representada foi associada a um risco 23% menor de depressão. Em outras palavras, as pessoas matinais tinham 23% menos probabilidade de serem predispostas à depressão.

(Imagem: Claudio Scott/Pixabay)
(Imagem: Claudio Scott/Pixabay)

No entanto, os pesquisadores alertam que um ensaio clínico maior é necessário para certificar a determinação de que acordar mais cedo pode realmente reduzir a depressão para pessoas que acordam mais tarde, em vez de encontrar uma correlação simples entre a hora de dormir e a depressão.

“Nós vivemos em uma sociedade que é projetada para as pessoas da manhã e da noite. Muitas vezes as pessoas se sentem como se estivessem em um estado constante de desalinhamento com o relógio da sociedade", explica o principal autor do estudo, Iyas Daghlas. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: