Mercado fechado
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,61
    +0,22 (+0,59%)
     
  • OURO

    1.877,10
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    13.250,90
    -22,73 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,92
    -10,77 (-3,95%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,25 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.708,80
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    23.246,17
    -172,34 (-0,74%)
     
  • NASDAQ

    11.221,75
    +89,00 (+0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7387
    +0,0043 (+0,06%)
     

Acompanhar reservas em queda é nova obsessão na Argentina

Jorgelina do Rosario
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Em corretoras e bancos argentinos, todos os dias os telefonemas têm a mesma pergunta: quantos dólares o banco central tem de fato?

Ficar de olho nas reservas internacionais se tornou um ritual para investidores argentinos enquanto tentam descobrir o que vem a seguir para o peso e US$ 65 bilhões em dívida externa recentemente reestruturada.

Os cálculos para a quantidade exata de reservas líquidas variam de US$ 2 bilhões negativos a até US$ 1,3 bilhão, dependendo de como o dinheiro é contado, mas quase todos concordam que o valor é assustadoramente baixo. À medida que o saldo cai cada vez mais, o governo toma medidas para estancar a sangria. A medida mais recente ocorreu na semana passada, quando autoridades cortaram impostos para algumas exportações e disseram que permitiriam uma desvalorização mais rápida do peso e aumentariam a taxa de juros como forma segurar os dólares.

“Estou sendo martelado com perguntas e ligações”, disse Juan Manuel Pazos, economista-chefe da TPCG Valores, em Buenos Aires. “Querem saber nossa visão e como esperamos que os formuladores de políticas irão responder.”

Embora o banco central da Argentina publique as reservas totais em dólares cinco vezes por semana, investidores estão mais interessados nas reservas líquidas do país, basicamente o que está disponível em dinheiro. Esse número é apenas uma fração do valor bruto de US$ 41,3 bilhões, mas chegar a um número exato é complicado. O banco central não calcula o número sozinho e um assessor de imprensa não quis comentar as estimativas dos analistas.

“A tendência é a chave”, disse Emiliano Anselmi, economista da Portfolio Personal Inversiones, em Buenos Aires. “E a tendência mostra que as reservas continuam caindo.”

Em meados de setembro, a Argentina tentou limitar os saques com restrições das compras de dólares, tanto para pessoas físicas quanto para empresas, mas a demanda pela moeda americana não deu sinais de desaceleração. A taxa de câmbio paralela usada para contornar os controles caiu para nível recorde, com o valor do peso equivalente a quase a metade da cotação no mercado oficial.

Enquanto isso, os preços dos títulos argentinos emitidos há apenas um mês entram cada vez mais em território distressed, e a maioria dos novos títulos em moeda americana são negociados a cerca de 40 centavos de dólar.

É voto gigante de desconfiança no governo do presidente Alberto Fernández, poucas semanas depois que o país conseguiu economizar cerca de US$ 38 bilhões com a reestruturação e promessas de estabilidade. A inflação permanece teimosamente acima de 40%, o desemprego atingiu o maior nível em 16 anos e a economia da Argentina deve encolher 12% neste ano, a pior queda anual já registrada.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.