Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,37
    -0,09 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.764,70
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    63.233,78
    +334,69 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.011,50
    -2,50 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7225
    +0,0014 (+0,02%)
     

Acionistas da Vale aprovam mínimo de 7 conselheiros independentes

·2 minuto de leitura
Marca da Vale exibida em evento em Nova York

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os acionistas da mineradora Vale aprovaram nesta sexta-feira em assembleia 13 alterações no estatuto da companhia, incluindo a previsão de um mínimo obrigatório de sete membros independentes no conselho, dentre outras medidas que visam melhoria nas práticas de governança.

A partir das mudanças, realizadas em Assembleia Geral Extraordinária, também foi definida a votação individual na escolha dos conselheiros, a determinação de que o presidente e o vice-presidente do colegiado sejam eleitos pelo conjunto dos acionistas e não mais pelo próprio conselho, entre outras.

"Este é um passo fundamental para adequar a governança da Vale à sua nova realidade de empresa sem controle definido, com um Conselho de Administração formado com maioria de conselheiros independentes, e prepará-la para os desafios dos próximos anos", disse em comunicado José Maurício Coelho, presidente do conselho da Vale.

Também no comunicado, a Vale destacou que o processo de reestruturação societária da companhia teve início em fevereiro de 2017, quando o bloco de controle da empresa à época anunciou a intenção de torná-la uma companhia sem controle definido.

Em outubro daquele ano foram eleitas duas conselheiras independentes e em 2019 foi eleita a terceira independente. Em novembro de 2020 expirou o acordo de acionistas celebrado pelos integrantes do antigo bloco de controle, o que tornou a Vale oficialmente uma empresa de capital disperso.

As regras aprovadas nesta sexta-feira já serão aplicadas na próxima Assembleia Geral Ordinária, prevista para 30 de abril, quando serão eleitos pelos acionistas 12 membros do conselho para o mandato de 2021 a 2023.

Um Comitê de Nomeação, formado por três membros (dos quais dois sem vínculo com a Vale), divulgou na última quarta-feira os 12 indicados ao conselho, incluindo oito membros independentes, cinco a mais do que na atual configuração.

O 13º membro será indicado pelos empregados da Vale.

(Por Marta Nogueira)