Mercado abrirá em 9 h 48 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,68
    -0,14 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.821,20
    -2,80 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.453,31
    -360,12 (-0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.353,29
    -34,62 (-2,49%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.889,28
    +170,61 (+0,62%)
     
  • NIKKEI

    27.940,90
    +492,89 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.168,75
    +68,50 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4129
    +0,0004 (+0,01%)
     

Família Simões vai transferir 16% das ações da JSL para Simpar como parte de reorganização

Rita Azevedo
·1 minuto de leitura

O conselho de administração da empresa aprovou ontem os documentos finais da reorganização Os membros da família Simões irão transferir a totalidade das ações da JSL detidas por ela, equivalente a 16,19% do capital da companhia, para a Simpar. A transferência foi condicionada à aprovação da reorganização societária em assembleia de acionistas marcada para 5 de agosto. Ontem, o conselho de administração da empresa aprovou os documentos finais da reorganização. Com a operação, a JSL deixará de exercer a função de holding e passará a ser exclusivamente uma empresa operacional de serviços logísticos. Para isso, as ações de emissão da JSL serão incorporadas pela Simpar, sua atual acionista controladora, que passará a controlar diretamente as empresas controladas pela JSL, como Movida e Vamos. A Simpar, que atualmente está em processo de obtenção de registro de companhia aberta, terá as ações listadas no Novo Mercado, segmento da B3. A JSL, que hoje também faz parte do segmento, diz que “manterá suas boas práticas de governança” e que pretende manter o registro de companhia de capital aberta categoria A na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A administração da JSL estima que os custos com a reorganização, como avaliações e assessoria jurídica, cheguem a R$ 3,5 milhões. Os custos não incluem os relacionados à transferência de ativos e passivos, com exceção da participação na JSL, para uma nova holding da família Simões, que foram arcados pela própria família.